a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  domingo, 19 de outubro de 2008
Sobre perceber

Diz o Marcelo que perceber aquilo que se tem de bom no viver é um dom. E perceber vai além dos sentidos, muito além do que se vê. Existem habilidades que precisam ser praticadas, partilhadas, vividas, uma delas é essa capacidade bonita e delicada de perceber.

Perceber que cantar em uníssono a poesia que lava a sua alma nos momentos de solidão é própria água com açúcar que servimos ao coração. É um coro raro porque não sabemos o que motiva a cantar os outros cantores. O que sabemos é dos próprios momentos de estar só, e de estar só, acredito eu, todo mundo sabe um pouco, senão, não seria esse o tema das canções que tanto nos tocam.

Eu tinha 11 anos a primeira vez que fiz o que era necessário para ver uma banda tocar ao vivo uma música que tocava dentro de mim e me aquecia. Essa música já falava de solidão e pedia que a espera por aquela que faz chorar, não fosse em vão. Los Hermanos gravou o Ritmo da Chuva com a Fernanda Takai, e com 24, continuo colocando essa faixa para tocar mais de uma vez seguida. Mas com 11 anos esperava coisas que não espero mais. Que tudo passa, é um ensinamento que insistem em querer que eu aprenda há tanto tempo e que pra mim é difícil, porque aceitar que tudo passa, é entender que o que é bom, chega uma hora, também parte.

Saibamos pois, estamos sós, cantou o Marcelo, para um teatro lotado de pessoas que sentem suas solidões. É impossível, completamente impossível saber e sentir a solidão ao lado. Existem coisas que o ser humano não pode e não poderá nunca possuir, uma delas é saber como dói a dor do outro. Mas perceber, isso todo mundo pode, todo mundo deve, é uma habilidade, uma grande arte humana e precisa ser experimentada, revivida, pincelada.

Quando eu caminho em frente eu sei que é pra sentir saudades, porque olhar no que está no amanhã é dar um adeus ao que esteve ontem e está hoje. E como é triste e acinzentado o medo da eminência desse adeus. Se desvincilhar, se desvincular, deixar ir. Tudo coisa difícil, tudo custoso, tudo doloroso. E nessas horas, só resta levar a saudade, porque essa ainda vale à pena, mesmo que essa seja uma música do álbum anterior, de uma época a que também foi preciso dizermos todos adeus.

Sou dessas pessoas que sabe que é de se entregar a sorte e que esse vai e vem não só pode ser como é eterno, porque nessa vida de se amar e de se relacionar, não existem garantias de nenhum tipo. E nessas horas vem aquela chuva, a santa chuva de sentimentos que lava a nossa alma e nos obriga a procurar recursos não sei onde para cuidar de secar a lama e seguir vivendo. Não é ser triste entender que a dor acaba nos encontrando, porque a alegria também não nos abandona em tempo integral jamais.

Como eu sei? Eu sei porque vivo coisas que por alguns momentos me fazem esquecer que sou humana e, portanto, só. Sei porque amo, porque sou amada, porque consigo rir das minhas próprias bobagens. Sei porque reconheço todos os anjos que se fantasiaram de seres humanos e tornam minha vida cheia de riso. Vai ver é só você querer enxergar e perceber que também possui esses anjos e vai ver é só pedir a eles assim: Cuida bem de mim.

Por essas e outras que a vida é doce levar se o caminho é de fé. Fé no amor, na liberdade, no amor. Perceber dessa maneira não é fácil e em muitos momentos a gente resbala, tropeça, fraqueja, porque somos assim, humanos. Mas quando aprendemos a crescer com o que pode parecer em alguns momentos pura falta de sorte, o coração fica com jeito de bem me quer e dá vontade de gritar bem alto, como eu quis fazer e fiz sexta feira, dia 17, no show do Marcelo: Segura que a minha alegria não quer parar.


Marcadores: , ,


[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker