a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  domingo, 15 de abril de 2012
Sobre retorno

A vida tá corrida? A minha também tá. Você tem muitos compromissos? Eu também tenho. Mas uma coisa que faz tempo que eu sei é que amizade dá um baita trabalho. Sabe quando você recebe um e-mail em que alguém pergunta tanta coisa, conta várias outras e você pensa que vai responder depois, porque agora tá sem tempo? E esse depois não chega nunca? Sabe quando alguém te liga, você não atende porque tá sem tempo e sabe que a conversa vai ser longa e, mentalmente, diz a si mesmo que vai ligar depois? Só que depois você não liga?

Porque sempre surgem coisas, sempre compromissos aparecem e a gente sempre tem uma vida para salvar, nem que seja a nossa. O problema é que dedicação a gente não consegue comprar e nem emprestar. Não tem em nenhum lugar da internet e nem na televisão quando a gente tá baixando e assistindo uma série, um filme, uma novela que passa todos os dias. Não, dedicação, essa coisa louca que faz a gente parar de olhar pra dentro e nos mostra toda a vida lá fora, isso a gente só consegue quando para. 

Para de pensar que nossa vida e nossos compromissos são inadiáveis. Para de pensar que dez minutos que se perde para responder a um e-mail é um tempo precioso do dia, tanto quanto os dois minutos ou menos para mandar uma mensagem, retornar uma ligação. 

Algumas pessoas se surpreendem quando as pessoas estão umas nas vidas das outras há tempo demais. Admiram-se sobre essas pessoas para quem o tempo passa e elas continuam ali, sempre juntas. Garanto uma coisa, não tem segredo, mas tem receita. É investimento: de tempo, dedicação e até dinheiro, esse que a gente gasta para cruzar alguns quilômetros, para pagar a conta de telefone, para comprar uma agrado. Mas veja bem a palavra que eu usei: investimento. 

Não é um gasto, portanto, nem de energia. Porque quando a gente investe, é pra ter retorno. E quando não tem? O que fazer, administradores e economistas? Tira o investimento daquele lugar e coloca em outro. Porque se tem coisa nessa vida que precisa de retorno, essa coisa é amizade. 

[ 1 Comentários]

  segunda-feira, 9 de abril de 2012
Sobre o que eu estava aqui lembrando

Hoje quero falar sobre coisas que eu estava aqui lembrando. É que eu sou dessas pessoas saudosas, nostálgicas. Não sei se de fato existe uma diferença entre essas duas palavras mas vou contar a distinção que eu faço entre elas. 

Sinto algumas saudades de situações específicas. Sinto saudades de pessoas que foram. O nome da minha maior saudade é a minha avó que, não muito depois de uma páscoa há três anos ia embora com a mesma calma com que viveu toda a vida dela. Sinto saudades de alguns amigos que passaram e não ficaram, porque não puderam, porque não quiseram, porque não tentamos. Sinto saudades de um amor grande que tive na vida, talvez o único grande mesmo.

Agora nostalgia é diferente. Nostalgia é a falta que eu sinto de algumas sensações. Para mim, é nostálgico lembrar de como eu ficava ansiosa quando minha avó vinha visitar. É nostálgico lembrar das balas de caramelo que ela comprava e ficava chupando antes de dormir. É nostálgico lembrar que a gente conversava sobre coisas que eu não lembro, aquelas conversas que você tem quando dorme com alguém no quarto e que duram sempre até uma das duas pessoas cair no sono.

É nostálgico lembrar do que eu sentia quando sabia que ia visitar uma amiga que seguiu a vida dela longe da minha, ou como era gostoso quando ela me ligava. É nostálgico lembrar de tardes inteiras de conversa com um outro amigo que, embora por perto, não sabe mais nada de mim e nem eu dele. É nostálgico lembrar da sensação da primeira vez em que aquele meu grande amor me convidou pra almoçar e, no carro, apoiou a mão dele sobre a minha. 

Todas essas coisas, grandes e pequenas coisas, são partes da minha vida. Contando assim elas parecem piegas e parecem quase que destituídas de importância. Mas é importante que a gente lembre que o todo não é resultado da soma das suas partes. E é por isso que os sentimentos e as sensações variam tanto, não é? De qualquer maneira, eu estava preparando uma aula sobre a Psicologia de Wundt em que ele divide as experiências das pessoas nesses dois elementos: sensações e sentimentos. Mas as experiências estão para além disso. 

Eu diria que o mistério das experiências é indissolúvel. Quando eu tinha 16 anos, criei uma senha para um e-mail meu, baseada em uma coisa que tinha acontecido comigo e que tinha me marcado muito. Essa senha era o nome de um lugar em que essa coisa tinha acontecido. Na época, eu achei que era uma grande besteira, porque toda vez que eu abria meu e-mail e digitava aquela palavra, sentia um aperto no peito. Do mesmo tipo que sinto toda vez que sinto tristeza e que eu nunca vou saber se você sente igual. Mas, voltando, eu sentia aquele aperto no peito diariamente. 

Até que um dia não senti mais. Desde então, aquela palavra vem sendo usada como raiz de todas as minhas senhas. Eu ainda lembro exatamente do que aconteceu, mas não é mais sofrido. Não tem muito tempo eu reencontrei uma das pessoas envolvidas na história e o esquisito da sensação foi o fato de não ser mais sofrido. Isso não deveria me surpreender tendo se passado mais de dez anos. Na verdade, o peito parou de apertar muito antes.

Dessas coisas, logicamente, quando lembro, não sinto saudade e nem nostalgia. Me surpreendo sempre, sempre que me deparo com a capacidade que a gente tem em passar pelas experiências e carregar coisas delas com a gente. Acho que quando a gente é mais nova, tem uma sensação das coisas que opera em superlativo. A parte boa é que da mesma maneira rápida com que as coisas se tornam importantes, no mesmo grau de sofrimento que elas nos causam, elas desaparecem.

E daí que, uma das consequências de se ficar mais velho é que a gente pode começar a encarar as coisas mais dentro de uma determinada proporção. Só que a importância que as coisas adquirem, ah, essa importância. Demora mais pra sarar. A maneira de a gente se relacionar com todas essas coisas e mistérios dessa vida começa tão cedo, começa tão lá atrás. E quem pode dizer o ponto exato em que foi que aprendeu a ser assim? Tão difícil.

Sexta feira eu saí e escutei uma música que não ouvia há tanto tempo e que gostava. E com meus dezessete anos, ouvia vezes sem fim. Eu gosto de lembrar do que eu ouvia e do que eu sentia naquelas épocas. Porque, dentro de uma certa perspectiva, eu olho para mim como quem olha de fora: "Olha lá como eu era!". E me admiro. Às vezes, me admiro positivamente. Outras nem tanto. Mas gosto mesmo de saber que, com essa idade, eu já me parecia um pouco com essas linhas tortas que saem de vez em quando.

Se lembra quando a gente chegou um dia a acreditar
Que tudo era pra sempre
Sem saber que o pra sempre sempre acaba.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker