a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quarta-feira, 23 de junho de 2010
Sobre cavalos de batalha

Eu desconfio muito de pessoas que atacam. Aliás, desde que comecei a trabalhar diretamente com órgãos públicos, aka escolas, conselho tutelar, CRAS (Centro de referência de assistência social), secretarias municipais, enfim, percebi que o ataque costuma ser a melhor defesa. É um tal de jogar a responsabilidade que me deixa atordoada.

Hoje eu fui em uma escola X perguntar porque a aluna Y, que é atendida no programa onde eu trabalho, não tem ido à aula e porque o CRAS não ficou sabendo disso e tampouco o conselho tutelar. Mais tarde, uma estagiária me liga e conta que uma pedagoga da escola X ligou indignada dizendo que a criança não estava numa situação de perder o ano e que a minha "cobrança" era indevida. Bom, então a lógica é avisar a rede de serviços de proteção quando Y estourasse em faltas e perdesse o ano? Não entendi. A pedagoga da escola também disse nunca ter ficado sabendo que a aluna foi alvo de chacota por causa de um problema físico. Não entendi como ela alegou ignorância para se defender. Afinal, será mesmo que não saber de alguma coisa retira a responsabilidade? Acho que não.

Esse é o tipo de coisa que me irrita em trabalhar em um órgão público. Você acaba dependendo de um monte de gente que tem um monte de gente pra cuidar. Eu entendo isso. Só não concebo como você pode achar que o problema é a pessoa que apontou o problema. Isso não entendo. Agressividade só um jeito frágil de mostrar que você sabe que a responsabilidade era sua. Por isso, planejo voltar nessa escola para perguntar quanto tempo que eles iam esperar para se dar conta que uma criança de 12 anos ia perder o ano.

Isso de tirar o corpo fora, tenho experimentado diariamente. Falta de vontade, de ânimo, corpo mole. Isso me irrita porque atrapalha o trabalho de quem quer trabalhar. E aí você tem que lembrar a pessoa que as coisas são mais fáceis de resolver do que parecem e que fazer um cavalo de batalha por tudo só faz a gente cair no lugar comum do funcionário público: isso não é do meu setor, isso não é minha responsabilidade. Depois as pessoas ficam pensando porque a confiança é tão frágil. Porque as pessoas não confiam mais naqueles órgãos que foram criados para "ampará-las".

Eu não sei se nasci pra isso. Mas acredito fortemente que não. Por isso que eu estudo tanto. Se os medos são o que fazem o mundo andar, o que faz andar o meu mundo é isso: o medo de ser infeliz aí. Nessa comodidade castradora de desejo, de vontade, de tesão de fazer o que você gosta. E o que eu gosto tem a ver com autonomia, não com tutela e dependência.


[ 0 Comentários]

  domingo, 20 de junho de 2010
Sobre limite

Nos últimos tempos tenho observado um fenômeno dos mais esquisitos: fones de ouvido tornaram-se desnecessários para quem anda de ônibus, bicicletas, a pé. Não entendo, juro.

Numa das viagens pra São Paulo, um senhor estava ouvindo rádio pelo celular sem fones de ouvido. Muito educamente, perguntei se ele tinha fones, ele disse que não. Então, pedi se, por gentileza, ele poderia desligar. Desligou na hora, numa boa. Mas eu fiquei incomodada. É que eu não precisaria ter tido que pedir, entende? Não precisaria ter tido o constrangimento de lembrar a uma pessoa de quase cinquenta anos que eu não era obrigada a ouvir rádio junto com ela. Nem eu e nem as outras vinte pessoas que estavam dentro do ônibus.

Pois bem, essa semana, mesma viagem, mesmo horário. Cheguei à minha poltrona, tirei meu cobertor, meu travesseirinho, coloquei meus fones de ouvido para eu ouvir música até me dar sono. Quando percebi que havia uma música por trás da minha. Tirei os fones e comecei a procurar de onde vinha o som. E vinha da pessoa sentada atrás de mim. Eu simplesmente olhei pra ele, deve ter sido um olhar com lasers, porque imediatamente, o sujeitio falou "Se tá incomodada, me compra uma fone".

Fiquei chocada. Não pela grosseria, porque aqui a casca é grossa. Mas pela inversão de uma lógica que eu aprendi, entre tantas outras ocasiões, na primeira vez em que viajei de ônibus com a minha mãe. Eu tinha uns 3 anos, talvez. Fomos eu, minha mãe e minha irmã numa longa viagem entre o interior do paraná até o de santa catarina. Para mim parecia interminável. Eu queria ligar a luz do ônibus, que criança não quer? Queria conhecer o banheiro. Queria sentar perto da janela. Enfim. Minha mãe me levou ao banheiro e deixou que eu sentasse perto da janela. Mas quando comecei a ligar e desligar a luz insistentemente, ela disse: Pare com isso, isso incomoda as outras pessoas.

Não entendi direito porque a luz incomodaria as outras pessoas. Hoje entendo e evito, apesar de eu mesma não me incomodar tanto assim com a luz, que nos ônibus mais modernos, está muito mais forte do que a do ônibus que eu viajei quando era criança. O que me chocou no rapaz que me deu aquela invertida foi o fato de ele realmente pensar que o problema era eu. Que o problema sou eu e todas as pessoas que não comungam do mesmo gosto musical que ele.

Fiquei pensando: se todas as pessoas do ônibus decidissem pegar seus celulares e ouvir suas músicas sem fones de ouvido, quem conseguiria ouvir alguma coisa? E aí lembrei que em São Paulo, os alto-falantes do metrô lembram as pessoas a não ouvir música a ponto de incomodar a pessoa que está ao lado. Sempre me pareceu estranho eles terem que lembrar isso. Agora não parece mais. Acho que esqueceram que gente também tem limite, que eu não preciso ouvir o que você gosta, gostar do que você gosta. Eu sei que sou chata, mas acho que não preciso saber sua vida quando você conversa com alguém no celular.

Cadê o limite? O limite do público e do privado, cadê? Isso explica aquele vereador do Rio de Janeiro ter batido na síndica que pedia respeito aos vizinhos por causa de uma festa? Cadê o limite que me separa do outro e mostra pra ele que aqui começa eu, meu corpo, meus gostos, minhas necessidades ao lado das suas, mas não sobrepostas. Eu tenho me sentido muito incomodada por essa falta de limites. Desde uma pessoa que pega a caneta da minha mão porque precisa dela, que senta a uma distância que me impossibilita de pensar, que quer saber tudo o que eu estou fazendo, do que estou rindo, o que estou pensando.

Eu tenho limites sim. Note que eu não falo respeito. Isso não é falta de respeito. É falta de as pessoas perceberem que esses limites existem e que precisam ser respeitados. Se elas soubessem, respeitariam. Ou não.

[ 1 Comentários]
eXTReMe Tracker