a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  terça-feira, 27 de agosto de 2013
Sobre 27 de agosto.

Há alguns anos, cheguei à conclusão que a vida vive a gente e que não é a gente que vive ela. Questão de análise essa daí. Um dia cheguei pra analista dizendo isso e vocês podem imaginar o tanto de pano pra manga que deu. Tive que entender de onde essa frase tinha surgido e, mais do que isso, que efeitos ela operava sobre mim.

Não sou a única pessoa do mundo que se percebe vivendo a vida que é consequência de uma decisão que se toma perto dos dezoito anos. Claro que falo do alto da condição que me permitiu, aos dezoito anos, fazer uma faculdade, ser sustentada por papai e mamãe até me formar e só depois descobrir o significado da palavra trabalho. Sei muito bem que o nome disso é privilégio e que eu não posso me envaidecer dessa condição que me antecede.

Esses dias ouvi que a coisa mais natural do mundo é que aquilo que sonhávamos ser aos dezoito anos, não se concretizar. Que é claro que aqueles planos e aquela vida eram obra de uma fantasia (coisa boa da fantasia é que ela é maravilhosa e ninguém quer acordar de sonho bom). Mas, à medida que aqueles planos e aqueles sonhos não se realizaram, outros vieram.

E é isso, não é? É por isso que eu me irrito tanto com mimimi (também conhecido como peninha de si). A minha questão com essa posição é bem simples: não resolve. Um monte de coisa resolve. Dar a cara a tapa, começar ganhando pouco, trabalhar em coisa que você nunca pensou que fosse trabalhar, aprender coisas novas, mudar de rumo. Tudo isso resolve. O que não resolve é acusar pela sua frustração uma profissão inteira. No fim, sobra a possibilidade difícil de você não ter nascido pra coisa.

Eu sou feliz todo dia por ser psicóloga. Levo calote, não estou milionária, mas pago minhas contas. Gostaria de mais tranquilidade financeira. Mas o caminho é esse. Todo mundo sabe que coragem, cérebro, coração e casa, a gente encontra no caminho. Oz é um lugar que não existe. E eu vou lembrar sempre do ensinamento que ouvi em um bar: você pode comer feijão e arroz todo dia, mas não pode ter feijão e arroz na cabeça. Feliz dia do psicólogo pra você que não é um psicólogo feijão com arroz!

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker