a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quarta-feira, 25 de setembro de 2013
Sobre o primeiro mês

"Mas três meses passam rápido". Essa é a frase que eu uso para tranquilizar as pessoas quando elas me perguntam onde eu estou morando e a resposta é: "ah, humm, então...". Esta é minha quarta semana nessa nova rotina que eu escolhi viver até o final do ano.

Para os interessados, explico: assumi como professora em um teste seletivo. Como não tinha garantias de que seria chamada esse ano, mantive o compromisso (comigo mesma) de que, caso fosse chamada antes, levaria os dois empregos até o final do ano. Aí você pode me perguntar o que tem de mais manter dois empregos, ainda mais que não é trabalho, né, é dar aula (risos, só que não). Mas é que são duas cidades separadas por uns cento e poucos quilômetros. E eu trabalho quatro dias em uma cidade e três na outra.

Então, é por causa disso que eu uso a frase tranquilizadora. Que também é um jeito de eu tranquilizar a mim mesma. E até que funciona, embora as pessoas fiquem confusas com a minha rotina que começa com eu saindo de carro cedinho para Irati na segunda feira. Roupa de cama, mala, livros, textos e um pouco de comida de emergência. Dou três aulas de manhã, faço meu horário de atendimento à tarde, tomo um banho e pego uma van pra Guarapuava. Dou quatro aulas, pego a van para voltar, durmo, dou aula terça o dia todo e aí, oba, sem viagens na terça. Descanso.

Quarta feira, aula de manhã, horários de atendimento, reunião de departamento. Van pra ir, quatro aulas, van pra voltar. Dormir. Quinta feira, atendimento, aula, carro carregado pra voltar, quatro aulas à noite. Sexta, sábado, domingo para descansar. Segunda, saio cedinho pra Irati. 

Uma amiga me disse que esse é meu normal, estranho é eu parar. Acho que ela tá certa, embora os dois últimos anos caseiros e enraizados tenham tido seus efeitos. Eu demoro pra chegar em um lugar, tomar posse dele. Essa experiência passei algumas vezes e olha, é difícil. É aquela procura por rostos conhecidos e familiaridades. É o conforto de uma casa que é mais que casa, é abrigo, consolo, cantinho mais gostoso.

Escolhi não me mudar esse ano. Escolhi gastar mais do que gastaria se encontrasse um apartamento pra alugar. Encontrei uma pensão na beira da rodovia, em frente ao novo trabalho, em que a rotina é curta, as distâncias breves e o cheiro de mato. Tenho colegas felinos com quem estabeleci um convívio aceitável. Um deles se chama Hitler (gato com mancha que parece bigode e outra que parece o cabelo repartido ao meio), o outro Fubá (ele é amarelo) e outro eu não lembro. Eles me encaram quando eu chego e, às vezes, se jogam contra a minha porta e eu me assusto. Fizeram xixi no guarda-chuva que deixei pra fora um dia.

Esses dias eu tava pensando sobre as coisas que eu imaginava que seria. Elas seguiram um rumo um pouco diferente do planejado. Quando eu lembro de mim antes, reconheço muitas coisas e muitas não. Quando penso no passado, ele me parece tão estranho que essa estranheza é a prova contundente das mudanças. Me reconheço no caminho que eu fiz, mas reconheço o que não é mais meu. E é boa a sensação.


Dois meses passam rápido.

[ 1 Comentários]
eXTReMe Tracker