a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quinta-feira, 20 de junho de 2013
Sobre essa miscelânea

Das palavras que eu gosto porque se autotraduzem, miscelânea é uma das preferidas. O dicionário conta que ela indica mistura, variedade; coisas emaranhadas; obra composta por diversos autores. Até promiscuidade entra no sentido de miscelânea.

A impressão que eu tenho tido nas últimas semanas de manifestações é: que embora eles tenham se originado partindo de uma causa muito especifíca, à medida que cresceu, arrendou outros tantos manifestos, outras tantas reclamações. Eu fiquei muito admirada com o tamanho disso tudo, um tipo de surpresa boa, que você até demora para entender o que fazer em relação a isso, apesar de não demorar nada para perceber que há alguma coisa para ser feita. E essa alguma coisa é se posicionar.

Muito me espanta a apatia de alguns, mas nada me espanta a capacidade de desvirtuar de outros. Acho até que isso é próprio da miscelânea que as manifestações se tornaram. Não vejo isso como uma coisa negativa. Acredito sim que as pessoas entenderam que é preciso se manifestar para além das palavras e dos memes que nos afogam nessa vida light que o facebook oferece. Quando eu digo light, eu quero dizer de uma leveza que se torna insustentável se a gente estiver falando em uma sociedade participativa.

No meu último post, eu escrevi sobre a representatividade democrática de uma classe profissional que é a dos psicólogos. É que eu pude sentir na minha carne que o Conselho Federal de Psicologia é um grande partido político que exerce uma prática autoritária, que monopoliza as discussões e que passa por cima das contradições entre os posicionamentos como se não houvesse dúvida alguma quanto à inteireza dos seus atos e ideias.

Mas a representatividade de classe não é diferente da representatividade política. E claro que as eleições seriam o instrumento para a gente mudar isso, mas de verdade, não pode ser só esse. A questão que se coloca em torno do transporte público é tão grave que basta você passar um dia, das 18h às 20h na estação Paraíso para você entender que tem alguma coisa muito errada. 

Andei de trem, ônibus e metrô em São Paulo uma vez por semana durante três anos. Toda semana, em que eu me via espremida num vagão, em uma proximidade forçada, eu pensava: essas pessoas vivem isso todo dia. Como aguentam? Na primeira vez que eu fui a São Paulo, sozinha e jacu do mato, minha amiga que me ajudou nessa imersão me disse: quando você chegar na Sé você vai ver mais gente junta do que você já viu em toda a sua vida, não fique parada, não fique olhando pra cima. Ande na mesma direção que elas. Vai dar tudo certo. E deu. Mas eu nunca consegui esquecer da sensação de que tava errado.

Então, desde o começo, eu me posicionei a favor das manifestações, entendendo que não são vinte centavos, mas que são formas de conduzir. Eu fico meio sem esperança de vez em quando, porque ouço de gente que deveria ter mais senso crítico tendo pensamentos medievais. Não sei se todo mundo percebe isso, mas se não percebe tem que começar a olhar um pouco ao redor: o mundo mudou pra caramba. Isso é história, a sociedade é viva, se morta fosse, nem teríamos chegado até aqui.

Toda modificação causa conflitos, causa complicações. Até transformações internas causam revoltas e muitas destruições. Mas o ponto não é esse. O ponto é que me incomoda o quanto as pessoas são generalistas. E generalizar é uma das maiores burrices do ser humano.

Não me admiro nem um pouco que projetos abusivos como o ato médico e o da "cura gay" estejam tramitando. E se não me admiro é porque é da natureza do ser humano impor suas formas de gozo sobre o outro. Esse mal-estar não é novidade. O que é novidade é esse levante.

Ouvi de uma pessoa que ela não conseguia pensar em motivos para não estar na manifestação. Pois é. São muitos os descontentamentos. Mas faça uma gentileza, amigo reaça, continue atrás da suas causas. Não misture com as dos outros. Continue sendo pequenininho e burrinho lá onde todo mundo acha isso legal. Os manifestantes são gente coerente. Eles lutam todos os dias por causas que você detona. 

Por isso, o sentido de miscelânea que é a promiscuidade cabe aqui. De um lado estão os que repudiam todo o tipo de desigualdade, de opressão. O preço da passagem é uma forma de opressão, a situação do transporte público também. Mas existem várias outras e você faz parte disso. Por isso que você é promíscuo, amiguinho. Cada vez que enche o peito para falar baboseiras. São muitos os motivos da manifestação. Os válidos. Não entupa com os teus, porque essa palavra, promiscuidade, é tão feia, que foi feita pra falar em voz baixa. Fica em casa e exercite mais tua ignorância que ela não tem limites. Você nasceu pra ser gado.

[ 1 Comentários]
eXTReMe Tracker