a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  domingo, 20 de janeiro de 2013
Sobre as razões para ter um aspirador de pó

Tava aqui pensando como ano passado eu recomendei para todo mundo que gostasse duas coisas: ler "Uma Duas", da Eliane Brum, e comprar um aspirador de pó igual ao meu.

É verdade e eu admito que adoro eletrodomésticos. Admiro, e não só admiro como fico pensando o quanto eles tornam a vida mais fácil. Nem todos são assim. Alguns parecem que foram desenhados por pessoas que nunca na vida tiveram que cuidar de uma casa. A maioria dos aspiradores de pó são desse segundo tipo. O meu não. Ele não tem fio e é vertical. Ele aspira pó, cabelo e se transforma em um pequenininho que eu posso usar para limpar os armários. Tem gente que me pergunta se ele aspira água, mas não vejo necessidade. 

Mas embora pareça que eu esteja muito sem assunto já que resolvi falar sobre aspiradores de pó, digo apenas que se você não tem uma empregada tirando o pó da sua casa todos os dias, é uma verdadeira benção você não ter que usar uma vassoura (que implica em sujeira voando para todos os lados e uma pá para juntar os ciscos depois). Quando você tem um aspirador de pó como o meu, que resolve sua situação em minutos, sem problemas, sobra mais tempo para ler. Sobra tempo para ver filmes e para prestar atenção na conversa das crianças brincando embaixo da sua janela. 

Às vezes acontecem algumas coisas tristes. O final de 2012 foi daquele tipo que quase - eu disse quase - me fez esquecer todas as coisas boas que aconteceram antes. Poderia até citar umas três ou quatro, mas não é necessário. Quando a conta fecha, ela sempre fecha positiva e o saldo é generoso. Generoso o bastante para eu me sentir tranquila em um domingo à tarde, assistindo um filme bonito. Sozinha.

Mas a parte boa dessa solidão é que tem dias que ela não se faz toda. Ela resolve ser uma companhia. E gosto tanto destes dias em que decido que quero ficar em casa sem falar, sem sair, sem socializar. Não porque não gosto disso, eu gosto muito. Mas porque é bom também ficar quieta. Porque é ficando quieta que eu me descobri e descubro, e isso acontece desde criança.

Hoje eu assisti a um filme que uma amiga me indicou no fim do ano passado. E foi um filme bonito, desses tipo que emociona não porque é piegas, embora piegas não seja ruim, mas porque fala de uma coisa muito humana: fala sobre a sensação de infinito. E tudo que é humano está para além daquilo que é natural, porque a humanidade subverteu essa lógica e se desenvolveu em torno dessa subversão, por mais que haja quem insista na lógica natural para falar sobre assuntos humanos.

Fico feliz pelo fato de muita gente saber que, sobre essa lógica, estamos para além dela. São pessoas que reconhecem delicadezas e peculiaridades, que ensinam as belezas da gente. São essas pessoas que nos vêem e que, quando vêem mostram as coisas bacanas que a gente perde sobre si mesmo. 

Tem vezes que pareço dura, mas eu não sou. A vida não é fácil, não discuto isso. Mas é certo que a gente dificulta ela horrores. Construímos verdadeiras trincheiras e depois corremos para os bunkers imaginários como se resolvesse alguma coisa. Eu não tô dizendo que é fácil sair do bunker. Eu não tô dizendo que o que funciona para mim funciona para todo mundo. Eu só tô dizendo que a gente perde muito quando não se importa com nada além da gente.

Olha, eu sempre fui desse jeito. Desde criança eu me encantava com as pessoas e as histórias. Acho que por isso eu gostava tanto de ouvir conversa de adulto. Acho que também por isso ler se tornou a forma mais bonita que eu encontrei de me afastar dos barulhos do dia. Nada contra eles, mas às vezes, dê uma fugida, porque faz bem. Ouvir outros barulhos, os de dentro. Sair correndo sobre uma história que não conheço (incrível como tem gente que só gosta do familiar). 

Depois que aprendi a ler, aprendi a escrever. Mas não sabia que eu sabia escrever até que alguém me disse. E é incrível como a gente se forma e se constitui em torno disso que nos disseram sobre nós. Então eu fico pensando nessa professora querida que gostava tanto do que eu escrevia que lia para os outros. E eu sentia o que eu pensava que era vergonha e depois entendi que era orgulho. E eu queria que ela soubesse o quanto a admiração de mim por ela fazia com que admiração dela por mim fosse muito mais importante para eu continuar tentando.

Então, pela ordem, eu descobri enquanto eu crescia que eu gostava das histórias das pessoas, das pessoas propriamente, de ler e de escrever. E essas quatro coisas quando sobrepostas me transformaram nisso que eu sou hoje. Essa pessoa que recomenda aspiradores de pó e livros como peças indispensáveis nessa vida.

PS: E que lê por prazer nas férias.

[ 1 Comentários]
eXTReMe Tracker