a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sexta-feira, 16 de novembro de 2012
Sobre desastres

Ontem foi o dia em que meu passarinho voltou para o lugar dele. Eu que costumo ser inflexível, dura e exigente, mudei de lugar em casa uma coisa que, realmente, eu achava que ficava melhor ali. Mas é que se ele ficasse ali, ele iria quebrar e não seria culpa de ninguém. É que algumas pessoas não sabem direito o que fazer com as mãos e volta e meia derrubam as coisas. 

Ninguém é desastrado porque quer. Parece que o corpo, braços, mãos, pés e pernas se movem antes, quase que num movimento de autonomia. Eu não sou desastrada. Eu sou cuidadosa, e por ser cuidadosa, me antecipo sempre.

Mas eu também sou controladora. E sempre quis, embora sem sucesso controlar algumas coisas. Nunca consegui controlar nem meus sentimentos e nem as minhas lágrimas. Os dois brotam e pronto. Nem me ouvem. Seria legal não chorar mais. Cortar o canal lacrimal para que as lágrimas escoem junto com o xixi. Seria ótimo ninguém perceber que a gente chora, que a gente sofre, que a gente é menos fodão do que gostaria de parecer.

Pois é. Em alguns momentos eu acho que seria. Mas aí eu penso que essa coisa toda de as lágrimas não estarem sob controle, e nem meus sentimentos, é uma brincadeirinha do destinho. Uma pegadinha para a control freak que eu sou. Quando eu entendi isso, entendi que colocar de lado alguma expectativas e cagações de regras quanto a quem eu quero perto de mim, era bom. Entendi que eu poderia mudar meus enfeites de lugar e muitas outras coisas. 

E, quase ao mesmo tempo em que entendi isso, me vi podendo recolocar meus enfeites onde quer que eu quisesse, porque eles não correm mais o risco de irem ao chão. Muitos dos meus enfeites mudariam de lugar. Mas o coração sempre fica desprotegido. Volúvel aos desastres. E não há o que fazer nem o que dizer. Se não tem remédio, remedia-se por si só. Eu tirei o passarinho e evitei que ele fosse quebrado. Mas o coração eu não podia tirar, ele ficou ali e poderia quebrar desde sempre. Quebrou. E não pode ser culpa de ninguém.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker