a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  terça-feira, 29 de maio de 2012
Sobre festa de polaco

Para quem nunca ouviu falar da expressão, festa de polaco é aquela que dura três dias. Eu não sei a origem da frase, mas sei que organizar uma festa dessas é supercansativo.

Tive que providenciar uma festa de polaco porque uma openhouse não dava conta. Apartamento pequeno, coração grande. Por isso, por mais cansativo que tenha sido, falo como quem não está reclamando, mas apenas esperando que as outras pessoas que ainda não vieram conhecer a minha casa, ou porque tinham compromissos, ou porque moram longe de mim, ou porque eu ainda não convidei (ainda), venham logo. 

Na época em que eu estava pensando em como seria minha sala, estava muito preocupada em que não parecesse carregada, com muitas informações, apertada, enfim. Só que aí, olha que ideia a minha. Mandei fazer uma mesa com quatro lugares. E sem muitas condições de abrigar mais que isso. Esqueci completamente o quanto eu gosto que as pessoas venham à minha casa.

Mas aí eu pensei o seguinte, lá em Curitiba, morava em um apartamento de menos de trinta metros quadrados e eu colocava várias pessoas lá dentro. Então, esse que tem quase o dobro, deve conseguir abrigar meus amigos. Eles podem me corrigir caso eu esteja errada. 

É que no fim, o que basta vai além do número certo de cadeiras ou de uma mesa para dezesseis pessoas. Pensando bem, caso a minha mesa fosse grande o suficiente para dezesseis pessoas, acho que as pessoas não ficariam tão próximas. Então, não tem problema que a gente se aperte, que a gente fique junto. É inverno, a gente mora em Guarapuava e adora festinha em casa.

[ 2 Comentários]
eXTReMe Tracker