a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sábado, 17 de março de 2012
Sobre ônus


Às vezes a gente escuta que é difícil tomar a decisão certa. Eu não sei se vou tomar isso como regra, mas hoje comecei a pensar que, quando a decisão certa torna-se dura, é porque a gente não tá disposto a abrir mão das recompensas minguadas que a decisão errada traz. 

Então, quando diante de dois caminhos (ou três, quatro, infinitos...Quem disse que a vida é fácil?), você decide aquele que já sabe que é o errado, acho que o mínimo a fazer é se questionar. Porque quando a gente se questiona, quando efetivamente olha para as razões das nossas decisões, é inevitável encontrar um responsável em frente ao espelho.

Mas olha, eu vou dizer uma coisa importante. Eu tô falando em certo e errado e sei que isso soa moralista. Só que não é a minha intenção falar em valores morais. Esse questionamento que eu estou fazendo não tem nada a ver com o certo e o errado cuja baliza eu devo procurar no olhar do outro. Na verdade, no que eu tô pensando é num certo errado cuja perspectiva é uma dor. Dessas que não se explicam facilmente, porque do lado de fora sempre parece fácil demais dizer o que fazer e o que não fazer (é aí que eu percebo que esse olhar do outro também é o meu olhar, mas não o meu mais meu, mais o meu próprio olhar acostumado aos julgamentos).

É tão incoerente para mim pensar em um ser humano que, com o poder das palavras que vêm de fora, pode transformar a vida, mudar escolhas e ser mais feliz. Como se a gente fosse feito de só um tipo de matéria, como se nossa constituição à maneira como se deu não tivesse implicado inclusive o sacrifício dessa completude, dessa solidez.

Não somos sólidos, não somos unos. Somos, ao contrário, um turbilhão de divisões. Para alguns fica impossível se deparar com isso. Para outros, a cada vez que uma dessas divisões se apresenta, a sensação é da confirmação de uma certeza que, ainda assim, é sempre surpreendente: não é que partes de mim funcionam mesmo independente do meu olhar?

Eu falei tudo isso porque hoje, naquele estado meio torpe que a gente fica quando acaba de acordar, entre desligar o despertador e dormir mais cinco minutos, eu me dei conta que a posição que eu assumi um pouco antes de dormir, aquela de pagar o preço pelo sofrimento a troco de satisfações minguadas, não poderia continuar. O mais engraçado é que, depois de uma noite de sonhos, não pareceu tão difícil assim quanto parecia na hora de dormir, quando eu pensava dever alguma coisa.

Talvez seja de pensarmos se, quando pensamos dever alguma coisa, o que a gente não gostaria era que algo nos fosse devido. O problema, e esse é meu velho e eterno problema, é que no que diz repeito ao que a gente entrega aos que nos cativam, não tem troco, não tem devolução e nem direito algum. Eu já disse isso muitas vezes e repito que nessas situações a diferença é entre o que você está disposta e dar e o que o outro está disposto a receber. O troco, portanto, fica por sua conta. O ônus é seu, campeão.

[ 2 Comentários]
eXTReMe Tracker