a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quarta-feira, 28 de dezembro de 2011
Sobre o que eu quero de 2012

Tava aqui pensando sobre esse ano de 2011 e o sobre o que escrever nesses últimos dias dele. Ainda hoje vou viajar e pretendo ficar longe disso tudo que não é de verdade até a volta, no ano que vem. Lembrei hoje de uma história em que a Mônica foi se despedir do Cascão e ele ficou muito assustado quando ela disse: "Até o ano ano que vem." Desesperado, ele correu para o Cebolinha dizendo que eles precisavam fazer alguma coisa, porque a Mônica ia viajar e só voltava no ano que vem.

Outro dia, eu tava explicando ao meu sobrinho porque a piscina do clube não abriria. Eu disse a ele que era o dia em que os funcionários fariam uma confraternização. Falei isso tão no piloto automático que não percebi que uma criança de 4 anos não saberia o que é uma confraternização. Aí eu expliquei que era uma festa, um encontro entre as pessoas que trabalhavam ali e que servia para comemorar o fim do ano. Daí eu percebi que, pra ele, essa noção de ano novo e ano velho ainda é uma abstração muito complicada, porque foi bem difícil explicar que o ano tem meses, semanas e dias e que existe um calendário que define isso. 

Acho que uma parte importante da rotina da pré-escola é isso de, todos os dias, a professora escrever o dia, o mês, o ano e dia da semana. É porque se é tão difícil para a gente, que é crescido, abstrair que, de repente (e bota de repente nisso), muda o ano e a gente tem que começar a pensar em novos planos e objetivos, imagine para uma criança pequena! Isso não deve fazer o menor sentido. Com a minha sobrinha mais velha a gente tentava explicar a passagem do tempo com o número de 'dormidas' até o evento que ela tava esperando. Lembro que, com uns dois anos, a gente falou um dia que o aniversário dela estava chegando. Ela foi para a janela e ficou ali, parada, olhando para fora. Quando perguntamos o que ela fazia ali, a resposta era que esperava o aniversário chegar. 

A impressão que eu tenho no fim de ano é exatamente essa: um bando de adultos parados na janela esperando que alguma coisa saia da abstração e se concretize. Chega a ser engraçado o quanto a gente cresce mas continua sem crescer. Continua 'acreditante', se é que existe essa palavra, que o ano novo é alguma coisa que pode chegar e mudar vidas. Mas como ele não se solidifica, ao contrário, continua sendo uma abstração, as resoluções são difíceis de serem cumpridas.

Eu sou dessas que faz tudo que é mandinga de ano novo. Como quase todo mundo, nunca lembro dos pedidos que fiz. Por isso, esse ano, ainda que isso possa dar um azar danado (olha eu acreditando em olho gordo, mas pra quem faz mandinga, né...) vou deixar aqui registrados os únicos dois pedidos para 2012 (além de saúde, dinheiro e felicidade, que são de praxe) que eu consigo pensar num fim de ano que eu não tenho nada para reclamar:

1. Passar no doutorado (2012, posso ser um pouco exigente e pedir que seja, de preferência, no Rio?)
2. Encontrar um amor de verdade, correspondido, apaixonante, inquietador e sossegador de coração (tudo ao mesmo tempo, por favor).

Apesar de eu estar aqui fazendo de conta que eu estou pedindo pra 2012, sei muito bem que para quem eu realmente peço é para aquela versão de mim que espera na janela o ano novo chegar. Essa parte que tem esperança e que acredita em coisas mágicas.

[ 5 Comentários]
eXTReMe Tracker