a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  terça-feira, 20 de dezembro de 2011
Sobre agradecer


Chega fim de ano e é sempre essa urgência não sei de quê. As lojas cheias e as ruas em que é impossível estacionar têm menos a ver com a vontade de presentear e mais com a necessidade de obedecer a um ritual que hoje me incomoda um pouco. Para mim, sempre é difícil me despedir. De qualquer coisa. Inclusive de um ano. A festa de ano novo é sempre triste e me soa mais de despedida que de boas vindas. Por isso sempre, sempre, dá vontade de chorar.

Sempre que posso me esquivo das despedidas. Deve ser por isso que, para mim, o tempo passa rápido demais e eu sempre tenho a sensação de inacabamento. É como se eu não conseguisse cumprir os ciclos, pegar esses rituais que são importantes e fazer com que eles cumpram sua função. É, eu fujo, fujo mesmo. Não, não me orgulho disso.

Se eu tenho um plano para 2012 é esse de levar as coisas com começo, meio e fim. E não é que eu tenha o hábito de não terminar as coisas. Sempre termino. Mas dificilmente me despeço delas, porque dá uma coisa ruim dizer adeus. Acontece que 2010 me ensinou uma coisa que 2011 continuou repetindo, como aquela professora que bate com a régua no quadro em cima do conteúdo mais importante: se despedir é importante, finalizar é imprescindível para as coisas que passaram nos darem a sensação de terem sido nossas. 

Quando alguma coisa, ou alguém, subitamente desaparece, então esquece. Não fez parte da sua vida. Você pode até ter desejado, mas não teve a força suficiente pra vingar, fincar raízes, ficar. Ou seja, já era. Muita coisa aconteceu nesse ano, boa, ruim. Chorei bastante, trabalhei muito, continuei viajando. Fiz diferente do que achei que ia fazer. Mas terminei tudo. De verdade, a lista tá zerada. E eu só tenho mesmo a agradecer. 

[ 2 Comentários]
eXTReMe Tracker