a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  segunda-feira, 15 de agosto de 2011
Sobre a ansiedade que me consome

Queria conhecer o sujeito que inventou que a gente precisa esperar. Porque ele, definitivamente, não tinha mais o que fazer. Sonho com um mundo justo. Um mundo em que e-mails importantes são respondidos a toque de caixa. Em que ligações perdidas são retornadas, em que mensagens importantes são respondidas.

Ao contrário do que podem imaginar os que me julgam intolerante às frustrações, eu nego até a morte. Não sou intolerante às frustrações. Mas sou sim, e isso não posso negar, intolerante à espera. Não tenho problemas com respostas negativas (quer dizer, quem não tem? Mas eu sei lidar com elas), mas tenho sérios problemas com a falta de uma resposta. Nos últimos dias ando com a minha cabeça fervendo por causa de um evento que resolvi organizar. E eu resolvi organizar por duas razões: em primeiro lugar, porque eu acho importante os alunos sentarem suas bundas acadêmicas em uma poltrona para ouvir pessoas mais experientes falar sobre sua prática; em segundo, porque é importante para o meu currículo organizar eventos.

E tudo seria maravilhoso não fosse um pequeno detalhe. Convidei algumas pessoas para participar do evento. E sabe? Se você não quer, ou não se interessa, ou não se sente capaz, ou não pode participar, enfim, custa dizer que não? Custa retornar uma ligação, um e-mail, uma mensagem dizendo que não rola? É um convite! Só isso. E se os motivos pelos quais você não aceitou o convite tem a ver comigo, a pessoa que convidou, vamos ser grandinhos e profissionais?

Olha, nessa história de organizar eventos eu aprendi que posso contar com um monte de gente que suporta a minha ansiedade e que faz as coisas a toque de caixa quando nem deveria ter que fazer. E se eu tenho que pedir as coisas pra ontem é porque eu não tenho respostas pra hoje. Respostas essas que poderiam se resumir em sim e não. Simples assim.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker