a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sexta-feira, 6 de maio de 2011
Sobre o Lucas

Então hoje nasceu o Lucas, primeiro bebê de uma turma de amigas que é amiga há mais tempo do que convém sair por aí falando. Eu já vi a foto dele, postada pelo tio, e é uma graça! Dessas crianças que nascem sem manchinhas e, apesar de eu não ter conseguido ainda ver onde está o pai e onde está a mãe naquele rostinho, acho que nos próximos dias, a gente vai conseguir enxergar isso.



Acho bonita a empolgação de todas as meninas, todas sentindo como se tivessem ganhado um sobrinho que é o que a gente sente quando uma pessoa tão próxima quanto uma irmã tem um filho. Meus sobrinhos já estão grandes e, por enquanto, não sei se terei outros, pelo menos dos de sangue. Quanto a esses outros, os sobrinhos emprestados, espero ter vários. O Lucas é o primeiro e isso por si só já dá a ele muitas regalias, coisa do bebê mais velho. Provavelmente o mais novo, se alguma de nós resolver ter filho lá pelos quarenta e poucos anos (eu, quem sabe), também vai ser recebido com muita pompa e circunstância.



Estou feliz e espero que a minha amiga, o marido e o filho se acertem bem logo de saída. É que, apesar de nunca ter tido filhos, eu sei que essa história de ser mãe não é tão simples assim. Entre uma criança sair da sua barriga e se tornar seu filho, um encontro precisa acontecer. É por essas e outras que eu sou da opinião que nessas horas, assim como quando essa criança foi feita, só são necessários três: pai, mãe e bebê. Porque é um primeiro encontro. A gente não pode se esquecer disso nunca.



Já me disseram que, nessas situações, a gente também quer a nossa mãe por perto. Acho importante. A minha mãe deve ser a pessoa ideal para me ajudar a me tornar mãe, pra me ajudar a adotar essa criança que acabou de sair de mim. Sei bem o quanto o Lucas é bem vindo nessa família e sei o quanto é bem vindo na minha vida. Por enquanto, eu vou telefonar pra saber como minha amiga tá indo nesse encontro, como ligaria se ela tivesse acabado de conhecer um cara maravilhoso (que eu sei que o Lucas vai ser). Daqui a uns dias, eu vou lá conhecer bem de perto. Mas antes eu quero que eles se conheçam, direito deles.



E nada de me chamar de tia, ein, Lucas, que meus sobrinhos também me chamam de Gê.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker