a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  segunda-feira, 25 de abril de 2011
Sobre as coisas que me incomodam PROFUNDAMENTE

Hoje vou escrever sobre algumas coisas que me incomodam. Vamos lá:

1. Gente sem fronteira: os países têm fronteiras. Estados têm fronteiras. O que representam portas, muros e grades senão fronteiras? E gente também tem fronteira, ou deveria ter. Só que essa nossa fronteira, ela é invisível e eu vou dizer, ela NÃO é a nossa pele. Ela se evidencia através de uma permissão ou de um recuo. De um conforto ou desconforto. Se as suas fronteiras são maleáveis, parabéns! Faça bom proveito. Mas por favor, tente, pelo menos tente, entender que nem todas as fronteiras são iguais e que, por isso, um pouco de reflexão é necessária antes de você impor o teu gesto ao gesto da outra pessoa. Isso é uma invasão, e eu não suporto.

2. Gente que não se coloca no lugar do outro: esse tipo de situação acontece entre pessoas que têm livre circulação de fronteiras, o que só torna a situação mais desconfortável, porque você permitiu que a pessoa fizesse parte da sua vida e ela começa a se sentir no direito de julgar suas atitudes e, o que eu mais detesto, de dizer o que você tem ou não tem que fazer. Quer dizer, você quem sabe onde aperta o seu sapato, mas vem alguém e te diz que você deve colocar o band-aid em outro lugar.

3. A frase "você perdeu": poucas coisas me irritam mais do que essa frase. Especialmente quando ela é proferida depois de ter acontecido alguma coisa que eu nunca quis ganhar. Como você pode perder uma coisa que você nunca quis? Exemplo: eu te convido pra passar a tarde comigo na biblioteca estudando. Você diz que não tá a fim, que quer ver "O clone". Quando eu volto pra casa eu te ligo e te digo que você perdeu. Nessas situações minha reação automática é fazer cara de bunda para controlar a vontade de gritar que quem perdeu o capítulo de "O clone" foi você.

4. Psiquiatrismo: não é a psiquiatria que me incomoda, não mesmo. Mas o psiquiatrismo me incomoda demais. E por mais que eu veja psiquiatras cometendo o psiquiatrismo, eu vejo psicólogas, psicopedagogas (dá pra fazer um post sobre coisas que incomodam em psicopedagogas) e pessoas que não tem nada a ver com a área psi (dizer "área psi" também me incomoda). Nessa última categoria me incomoda mais ainda quando a pessoa usa o psiquiatrismo como bandeira. Eu sei que as coisas não são favoráveis pra que a gente jogue a bandeira fora, mas quando as pessoas usam um rótulo como uma sentença de morte, me incomoda demais.

E por último, só pra concluir a lista das coisas que me incomodaram HOJE:

5. Parar na porta do ônibus: é a lei da física, gente. Dois corpos não podem ocupar o mesmo lugar no espaço. Então, se você se coloca na porta do ônibus quando as pessoas estão tentando sair dele, só para garantir que você vai ser o primeiro a entrar e sentar, independente dos idosos, deficientes e senhoras com crianças no colo que entrem depois de você, você é burro.

[ 2 Comentários]
eXTReMe Tracker