a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quinta-feira, 27 de janeiro de 2011
Sobre o que teria sido um bom dia

Quase todos os dias meu despertador toca às 9h, mas eu levanto ou 10h, ou 10h30. Se a gente considerar que hoje em dia meu trabalho é estudar e eu fui dormir 2h30 porque fiquei estudando, durmo em torno de sete horas por dia. Coloco o despertador para as 9h pra ficar alerta, pra não passar a manhã na cama, aí dá tempo de fazer almoço e outras coisas aqui em casa.

Mas ontem, 10h30 acordei com um susto, estranhei não ter ouvido o despertador, levantei, arrumei minha cama, tomei um banho e comecei a fazer o almoço, porque 14h eu tinha médico. Em outubro do ano passado consegui uma consulta para 01/02. Na terça feira me ligaram perguntado se eu não gostaria de adiantar minha consulta para ontem. Ontem eu nem teria saído de casa, se essa mudança não tivesse acontecido. Saí de casa antes das 13h15, porque eu não sabia onde era o consultório. Olhei no google maps, tive uma idéia de altura da rua e fui bem adiantada. Levei o Freud comigo, meu caderno, caneta e lápis, porque tem muito médico que faz a gente esperar horas.

Quando eu tava na garagem, encontrei o síndico. Ele olhou pra mim e disse "Nossa, vai sair de carro hoje?". Como eu sou implicante, fiquei com vontade de responder que não, que eu tinha resolvido passar o dia dentro do carro na garagem, mas fui educada: "Pois é, uma raridade". Aí ele, "Você sempre sai a pé, né? Aqui em Curitiba é complicado mesmo conseguir estacionar". E eu completei, "Uso só quando preciso, quase sempre eu vou muito perto daqui, e uso ônibus bastante também". Entrei no carro e parti.

Estranhei que naquela hora a Visconde de Guarapuava tava estranhamente tranquila. O trânsito fluindo. Daquele jeito, eu pensei, chegaria antes das 13h30 no consultório da médica, ainda bem que tava levando coisas pra fazer. Na rua que eu tinha que virar, a Coronel Dulcídio, a mesma coisa, uma tranquilidade, semáforos abertos e eu segui descendo. E por um segundo, olhei pro lado para ver se eu estava próxima do número onde eu tinha que ir. E naquele segundo, o trânsito parou, e eu enchi a traseira do carro da minha frente. E foi a pior sensação que eu já tive, mas só até aquela hora.

Sabe, eu sou calma. É muito, muito difícil eu perder a cabeça. Mais difícil ainda é eu alterar meu tom de voz. E quando aconteceu isso e eu me dei conta que tinha batido o carro e que não tinha sido um acidente pequeno, que meu carro, tão querido, que eu fiquei tão feliz em comprar, estava com a frente destruída, radiador estourado, óleo vazando e sei lá mais o quê. Fiquei muito triste e confusa. Não consegui sair imediatamente do carro. Eu tava tremendo e eu tava sozinha. E as pessoas que eu tenho aqui estavam no trabalho. Na mesma hora, apareceu uma guardinha da urbs e um amigo, dessas coincidências felizes, desses sinais que volta e meia eu recebo de que Deus vai muito com a minha cara.

Eu saio do carro e tento falar com a dona do outro carro. Explico que vou ligar pro meu seguro e chamar o guincho. Peço os dados dela, ela pede os meus e tudo bem. Até que chega uma filha dela, uma que não estava no carro com ela na hora do acidente, muito descontrolada, grita comigo enquanto eu falava ao telefone. Diz que eu devia estar correndo muito, que era um absurdo eu estar correndo naquela rua. E isso não era verdade. E eu odeio quando as pessoas não ouvem e quando falam o que não sabem. Ela disse que eu não deveria nem sair de casa. Lembra que a batida tinha sido a pior coisa que eu já havia sentido? Pois é. Essa frase superou.

Eu tenho carteira há 8 anos. Uma vez uma pessoa bateu em mim no trânsito e não percebeu. Fui atrás e com toda a educação, e com mais educação ainda exigi que ela pagasse os danos. E pagou e tudo bem. Mas aquela moça, muito descontrolada, imagino que pelo susto que levou, disse que eu não deveria sair mais de casa. Eu nunca levei uma multa no trânsito, nunca passei acima da velocidade em um radar, e eu estava no máximo a uns 50 km/h numa rua em que ninguém anda a menos que isso. E eu me distraí, por um segundo e bati no carro parado dela.

Foi minha responsabilidade. Meu erro. A gente tem que olhar pra frente, porra. Mas sei também (e a outra motorista me disse isso quando pediu desculpas pela atitude da filha) que nada garante que amanhã não seja ela. Da mesma forma que há alguns anos, a falta de atenção de uma pessoa atingiu meu carro, ontem minha falta de atenção atingiu o carro de outra pessoa. E não me eximi. Resolvi tudo. É claro que ela vai ficar sem carro até ele ser consertado. É claro que é um transtorno. Mas é claro que eu não sou um perigo que deveria ficar em casa. Quando uma coisa dessas acontece, todos frustra! Todos. E eu não saí de casa pensando: "Nossa, é hoje que eu encho a traseira de um carro..."

[ 5 Comentários]
eXTReMe Tracker