a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  segunda-feira, 24 de janeiro de 2011
Sobre caminhos tortos


Continuo lendo Freud como se não houvesse amanhã e continuo fazendo chaves ao lado de alguns parágrafos e escrevendo ao lado "bonito". Sem grandes reflexões, sem brilhantes conclusões e digressões minhas que seriam muito insignificantes. Na última vez que eu escrevi aqui, escolhi duas dessas frases bonitas, mas só porque elas me fizeram pensar em algumas coisas. De resto acho bem chato ficar fazendo isso o tempo todo. Sei lá, ler pessoas que escrevem brilhantemente e mostrar a minha sagacidade em escolher frases de efeito, sobre as quais nada tenho a dizer e nem me fizeram pensar. Acho pedante.

Enfim, escrevi isso porque, pensando muito rápido sobre a minha vida, fiquei com a impressão que sempre andei pelos caminhos mais tortos antes de chegar nos objetivos. E já contei vários desses meus trechos do que sou eu errando pela vida. Mas acho que nunca comentei que quando conheci Freud não fui com a cara dele. Continuo culpando um texto que NUNCA deveria ser apresentado pra gente de segundo ano de Psicologia. Tem tanto texto bacana que ele escreveu para apresentar a psicanálise e uma professora resolve começar pelos espinhentos, cheios de notas de rodapé freudianas (muitas e longas). Ela não deveria saber que, antes de descascar o abacaxi, a gente tem que gostar de abacaxi? Deveria saber.

Mas enfim, o que aconteceu algumas pessoas bem íntimas sabem e continuam me amando, aceitando ainda assim. Depois de ter ficado bem decepcionada com a psicanálise, o próximo autor da lista da professora era o Reich. E por mais difícil que seja dizer em voz alta, sim, eu curti Reich. E eu fui em congresso de psicoterapia corporal E achei legal. Quer dizer, eu achei legal só até eu ter me inscrito numa coisa do congresso que chamava "vivência". Havia conferências, mini-cursos, mesas-redondas e vivências. Não lembro direito, mas devo ter achado o nome bonito e fui.

E quando cheguei na tal vivência, de fato vivenciei a coisa que mais odeio, mas que alguns acham superbacana, interativo, interessante e sei lá mais o que, que é colocar pessoas que não se conhecem, nunca se viram na vida, em situações de constrangimento. O termo vivência deveria ter servido de alerta, mas esperteza nunca foi meu forte. Enfim, eu me vi numa sala toda encarpetada com mais, sei lá, vinte pessoas. Nos mandaram tirar o sapato (por quê, meu deus, por quê?) e imitar gorilas, fazendo pares e fazendo de conta que catava piolhos na cabeça um do outro. Isso foi tão, mas tão traumatizante/humilhante, que só consigo lembrar de alguns flashes, de que a coisa toda durou mais tempo e que houve outros constrangimentos sem os quais eu poderia ter passado o resto da minha vida.

E logicamente, eu não lembro o que foi dito, mas lembro que não saí por medo que pudessem falar mal de mim. TIPO, como uma pessoa encouraçada dessas resolve curtir psicoterapia corporal. E como uma pessoa que se sente desconfortável com beijos e abraços gratuitos e aleatórios e que não sabe e nem nunca soube se expressar fisicamente (nulidade nos esportes tá aí que me deixa mentir) acha que seria uma ideia bacana a abordagem. Nem vou falar dela aqui porque posso falar (mais) besteira.

Bom, depois disso, por uma felicidade do destino, li um texto muito maravilhoso de Freud que não parecia mais um compensando de conceitos que eu não entendia e que, pelo contrário, dizia sobre coisas que faziam parte da minha vida. Me rendi. Quando resolvi fazer mestrado, sempre tomando o caminho mais espinhento, demorei para entender o que eu queria pesquisar e por quê. E aí (olha como a psicanálise é bonita), eu chego a conclusão que o que eu mais gosto dela tava naquele texto, sobre o qual muitos xiitas falam mal, e em muitos outros que eu leio, leio e leio e não me canso, porque eles me mostram, em primeiro lugar, que a minha pergunta é superpertinente à psicanálise, à prática dela e ao que dizem sobre ela. Em segundo, porque eu percebo que me pergunto isso desde que, aos dezenove anos, quando fiquei sabendo que ela existia. Mas tudo isso hoje é óbvio, porque é assim mesmo que a psicanálise funciona.

[ 1 Comentários]
eXTReMe Tracker