a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sexta-feira, 3 de dezembro de 2010
Sobre vontades

Quando o chega o fim do ano quase todo mundo fica nostálgico. O tempo mais quente, a chuva que deixa os dias um pouco mais frescos e o sol que volta logo depois que passa a chuva, só pra contar que fica mais bonito quando é assim que acontece. Eu, particularmente, fico muito saudosa nessa época, especialmente porque os fins de ano tem marcado algumas despedidas. Em 2007, foi o fim da faculdade, em 2009, terminei uma especialização e nesse ano estou terminando outra. E hoje, conversando com uma querida que fez essa pós comigo, eu comemorava a última viagem depois de três anos.

Enquanto eu dava pulos de alegria, ela disse: "Mas você vai sumir". Eu perguntei: "Mas como assim?", e ela respondeu, "Uai, eu não vou mais ver você". Eu ri, e disse que isso não dava pra prever. É que nem eu e nem ela temos certeza se esse laço vai se manter daqui pra frente.

Aí eu disse uma coisa que eu percebi nos últimos anos. Quando penso em algumas pessoas que foram muito importantes para mim em uma época da vida mas que, quando chegou um momento de decisão, os caminhos ficaram tão paralelos, vejo que a gente se perdeu. Então, eu disse que o que eu percebi nesses anos em que mudei de cidade algumas vezes - Guarapuava, Ponta Grossa, Maringá, Guarapuava, Curitiba, sem contar o pulo em Buenos Aires - é que é preciso sempre duas vontades para duas pessoas não se separarem. Se forem três pessoas, três vontades, e assim por diante.

Quando eu cheguei em Curitiba, entrei em contato pelo orkut com uma amiga que havia sido muito importante e com quem eu não falava fazia muitos anos. Mandei um scrap, ela respondeu, contei que estava morando aqui, ela disse que queria me ver. Mandei um depoimento com meu telefone, que ela não apagou até hoje. Isso foi em abril. E ela não me ligou. Se fosse há dez anos, há cinco anos que seja, isso me deixaria profundamente triste. Não fiquei indiferente, não se trata disso, mas é que eu entendo que às vezes a vontade não é forte o suficiente para, do nada, você deixar entrar de novo na sua vida uma pessoa do passado. Tanto passou, não é? Tanto mudou. Será que a gente ainda se conhece. Acho que não.

Bom, algumas pessoas entendem mais de reunir as vontades do que as outras. Algumas pessoas estão dispostas a pagar o esforço, porque é bem trabalhoso manter as pessoas por perto. Eu tenho a sorte de ter encontrado várias que tem vontades que combinam com a minha. Uma delas faz aniversário hoje e, ainda que eu quisesse muito tomar uma heineken com ela pra comemorar essa data (que eu tenho certeza que nesse ano é diferente das outras, porque nesse ano ela terminou a faculdade e só Deus sabe o quanto ela queria terminar a faculdade), eu não posso, porque hoje estou em São Paulo, também comemorando.

Antes de viajar, eu pensei que precisava contar pra essa minha querida o quanto ela é importante pra mim e o quanto eu penso nela nos meus dias. Especialmente, o quanto ela faz falta. E aí, a conversa que eu tive com a minha amiga da pós me fez lembrar dela. É que MUITO do que eu aprendi sobre vontade, foi com ela.

Quando eu me formei e fui embora, ela ficou. E outras ficaram e eu perdi a vontade. Eu não quis fazer o esforço. Ainda assim, um dia, me sentindo muito injustiçada, mandei um e-mail para várias pessoas querendo saber porque ninguém mais me dava bola. Eu recebi várias respostas. Todas as que eu precisava e sei que todas muito sinceras. E acho que a primeira foi a dela. E o que ela me disse colocou os pingos nos is, e me mostrou, sem agressividade, que quem não teve vontade tinha sido eu. Esse e-mail não foi escrito em tom de cobrança, não. Mas de constatação. E o fato de ela ter me respondido dessa maneira deixou as portas abertas, ou pelo menos destrancadas e, quando depois de entender que eram necessárias a minha vontade e a dela para a gente continuar existindo uma na vida da outra e não sumir, eu percebi que podia ter colocado a perder muitas preciosidades da minha vida, incluindo ela.

Já faz algum tempo isso e eu sei que essa minha amiga, essa querida, ela não é de melodramas como eu, e que por isso eu não preciso agradecer por aquele e-mail. Eu sei que não preciso agradecer pela porta ter ficado destrancada. E eu sei porque ela me conta isso todo dia sendo minha amiga. Por isso, dona Simone, não vou agradecer, sei que tinha a tua vontade falando alto também, como ela existe até hoje. Mas vou desejar toda a felicidade do mundo e muito, muito sucesso nesse teu novo ano, porque não é todo ano que a gente se forma em engenharia, nem que a gente tem que sair por aí dando a cara a tapa pra procurar emprego. Então, aproveita esse teu rostinho bonito, teu diploma em mãos e vaza! Aqui tem cama pra você sempre!

Ah, e me faz um favor: coloca Spaceman pra tocar, canta e dança bem alto. Porque foi você que me mostrou que Killers era legal, e essa música é a que eu mais gosto!

[ 6 Comentários]
eXTReMe Tracker