a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  segunda-feira, 27 de dezembro de 2010
Sobre assentos preferenciais

Nos três anos em que passei viajando para São Paulo uma das coisas que mais me incomodava era pegar o metrô. Veja bem, ônibus lotado também é muito ruim e eu não acho que em São Paulo haja mais desrespeito por parte das companhias de transporte do que nas outras cidades. Se você precisa usar um ônibus em horário de pico, sinto muito.

Só que, na minha opinião, nada se compara ao metrô lotado. Lembro que na época da campanha, o Serra costumava falar muito sobre a ampliação da malha do metrô em São Paulo (o que eu acho muito bacana). A economia de tempo que um metrô possibilita, quando comparado a andar de ônibus em uma cidade em que o trânsito na superfície é bem complicado, faz uma boa diferença. No entanto, todas as semanas, quando eu tinha que, lá pelas 17h30, trocar de trem na estação Paraíso, pensava: "ainda bem que eu não tenho que enfrentar isso todo dia".

Mas olhando pro rosto das pessoas cansadas, voltando do trabalho, depois de muito provavelmente terem acordado bem cedo, eu sempre pensava que elas tinham que enfrentar aquilo todo dia. É a realidade delas. A passagem custa R$ 2,65 e ano que vem vai aumentar. No entanto, se você precisa usar o metrô em horário de pico, as chances de você estar a uma distância desconfortável, para não dizer vexativa e inconveniente da pessoa ao lado são grandes.

E aí existem os assentos preferenciais. Oito por vagão, segundo essa reportagem que relata um incidente entre duas mulheres porque uma delas recusou-se a sair do assento preferencial. Veja, esse nome "preferencial", indica que ele não é obrigatoriamente destinado a determinadas pessoas, idosos, deficientes, gestantes, pessoas com crianças no colo, mas, no caso de entrarem pessoas com essas características no vagão, o assento é destinado a elas.

Esse assunto é batido, o Fantástico já fez reportagem mostrando como os paulistanos levantam para dar lugar para os outros. Mas eu aposto que quem anda diariamente nos metrôs de São Paulo presencia o contrário constantemente, assim como vivencia o calor, o desconforto e muitas vezes o constrangimento. E aí eu fico pensando o seguinte: "Por que os assentos preferenciais?". E o meu ponto de vista é que eles não PRECISARIAM existir.

Os assentos com cor diferenciada destinados às pessoas com as qualidades que eu falei acima existem para garantir o que a boa educação ensina; que se você é jovem, anda com suas duas pernas, enxerga com seus dois olhos, não carrega um bebê nos braços, você pode sim ficar durante 20 minutos em pé. Quem não fica muito mais quando vai a um show, quando bate perna no shopping, quando vai ao estádio? Assim, eles existem e devem ser respeitados, mas a gente não deveria ceder o lugar por princípio? É bom senso, respeito? Educação? Mas é aí mesmo que está o problema? Só nas pessoas?

O contra-argumento vem à minha cabeça: essas pessoas que usam o metrô trabalharam o dia inteiro, acordam cedo, provavelmente têm outra condução para enfrentar antes de chegar em casa. Elas não merecem ir sentadas, assim como aqueles para os quais os assentos com cor diferenciada foram destinados? Claro que merecem.

E aí, eu só consigo pensar naquilo que eu já pensava quando tinha que pegar o metrô sentido Tucuruvi só uma vez por semana: é falta de respeito com as pessoas, é falta de respeito com o dinheiro que as pessoas e empresas pagam pelas passagens. É exemplo de má administração e descaso.

PS: Para os maus entendedores, eu não acho que a mulher que não levantou estava certa, mas continuo achando a quantidade de pessoas por vagão um desrespeito com ela e com todos ali presentes.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker