a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quinta-feira, 22 de julho de 2010
Sobre segredos

O centro de Curitiba é todo de casas velhas, construções antigas, cheias de pessoas, cheias de segredos. Nunca cansa olhar as fachadas dos dias em que as ruas foram outras e que as histórias daquelas casas e dos corações que ali moraram estavam começando. Penso sobre a beleza tão escondida por baixo dos muros pichados, da necessidade de tinta e um pouco de atenção.

É bonito sim. Porque essa beleza não é só da poeira e das portas que rangem quando abrem. É uma beleza que leva às fantasias e segredos sem saber bem quais. Beleza que transporta pra uma época em que elas eram as belas casas, sólidas, simples, imponentes, delicadas, sóbrias, suntuosas, enfim. As ruas de paralelepípedos não deixam que nenhuma mentira seja dita: ali há passado, há alma, paixão.

E quando uma velha entra em uma casa dessas, impossível não pensar nos quartos abarrotados de caixas, dentro delas as lembranças, dentro delas a saudade. Desviando dos gatos e dos móveis quebrados, há de se encontrar grandes contos, crônicas, romances. Todos da vida de gente que já foi. Que encanto dessas velhas que empurram carrinhos de feira e são simpáticas com os que sentam no beiral da porta. Que segredos contam essas velhas que passeiam pela noite desejando boa noite pra gente muito menos interessantes e com histórias bem mais entediantes, talvez por estes que ficam na rua, ainda não terem descoberto que "o caminho é o fim, mais que chegar".

Quando passam as velhas em seus carrinhos de feira, carregados de sei lá o quê, pensar na solidão acaba sendo a primeira coisa possível. Qual o peso de se carregar esses carrinhos na noite da cidade? Que peso têm suas histórias? Essas que só podem ser imaginadas, pensadas, inventadas pelos que se importam com a solidão dos outros, lembrando sempre que essa solidão um dia, pode se transformar ou já é a sua própria.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker