a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  terça-feira, 6 de julho de 2010
Sobre casa

Ontem eu esqueci as chaves de casa dentro de um banheiro. Eu não sei porque estava com as chaves de casa nas mãos. Mas lembro de ter entrado no banheiro carregando jaqueta, bolsa e as chaves. O banheiro era nojento. Larguei as chaves em cima da pia e quando saí, apressada, elas ficaram, e eu só me dei conta a hora que cheguei em casa e não as encontrei. Eram umas 22h.

O engraçado foi que eu não fiquei preocupada. O porteiro me deu o telefone de um chaveiro que não atendeu. Aí eu liguei pra minha amiga: "Esqueci as chaves no meu trabalho", ela riu e respondeu,"Vem dormir aqui". Cheguei, tomei um banho, coloquei um pijama emprestado. Dormi como um anjo e hoje cedo telefonei para o trabalho, encontraram as chaves e na hora do almoço elas estavam comigo.

Mas o que eu fiquei pensando foi na minha despreocupação. Numa despreocupação que só pode acontecer quando se tem várias casas para ir. Quando não se está sozinho. Tem dias que eu me sinto sozinha e penso um monte de bobagens. Mas quando acontece algo assim e eu sei exatamente para onde eu vou, não tem como me sentir só. E aí eu estava pensando que se essa amiga não estivesse em casa, restariam nem uma nem duas, mas pelo menos uma meia dúzia de casas para eu ir. E nessas horas eu fico aliviada.

Deve ser por causa disso que foi tão fácil me mudar. Valorizar essas "minhas pessoas" é o ponto principal da minha vida hoje. Qualquer escolha que coloque em cheque meu relacionamento com elas, não me serve mais. Quando você esquece a chave em uma outra cidade, num lugar que fecha às 18h, você não deveria ter que ficar preocupado em gastar com um chaveiro. Deveria ter onde passar a noite sem se preocupar se está incomodando.

[ 3 Comentários]
eXTReMe Tracker