a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  segunda-feira, 22 de março de 2010
Sobre cuidado

Ano passado, uma das disciplinas que eu dava na faculdade chamava-se Processo de Cuidar. Eu a considerava uma das mais importantes na formação de um profissional, não só da área da saúde, mas de todas as áreas. Todas as profissões estão ligadas ao cuidado, mesmo que não diretamente ao ser humano, de forma indireta, todas as profissões implicam numa forma de favorecer a sociedade humana. Essa é inclusive uma das queixas dos ambientalistas, que acreditam que o ser humano investiu tanto em prol do desenvolvimento da sua sociedade que atrapalhou a continuidade de outros grupos animais e vegetais.

Podemos destruir o mundo que nos cerca, o que faz oposição ao cuidado. Um dos autores que eu pesquisei foi um teólogo chamado Leonardo Boff. O livro Saber cuidar: ética do humano, compaixão pela terra aborda o ponto de vista ontológico do cuidado, a partir da teoria de Heidegger, de acordo com a qual a característica constitucional ao ser humano é a capacidade de cuidar do outro.

Nessa minha pesquisa encontrei também dissertações de mestrado e teses de doutorado sobre o assunto, que contam pra gente que as ações humanas partem da emoção que as motivaram, incluindo o cuidado, motivado pelo amor, fundamental na socialização. Esse amor, não é o das poesia, das músicas, dos filmes, mas algo biológico: a aceitação do outro.

Para esses autores o cuidado não se originou por causa das doenças, mas pelas necessidades relacionadas à vida: alimento e proteção, princípio básicos do cuidado e do afeto, atitude fundamental de relacionamento, que requer atenção e envolvimento entre quem cuida e o que/quem é cuidado. Assim, o cuidado acompanha o ser humano enquanto existe amor, desvelo e a capacidade de se preocupar com alguém.

Esse ponto de vista é o de Heidegger, para quem ser-no-mundo é mais que a existência física, mas a co-existência no relacionamento com as coisas do mundo que possibilita formação autoconsciência e identidade humana. Ele fala ainda que a gente pode ser-no-mundo pelo trabalho, em que a natureza e o próximo são explorados, ou pode ser-no-mundo pelo cuidado, em que respeitamos os limites do próximo e do planeta. Se a gente vive hoje um momento de afastamento com o outro, em que absurdos de gente contra gente começam a fazer parte no nosso cotidiano, a filosofia do Heidegger nos ajuda a entender, em partes, o porquê. A parte boa é que há algum tempo começamos a perceber esse caos e há tentativas de reverter, porque podemos ficar sem nada. Sem amor, sem casa.

O Outro pode nos destruir sim. O Outro é aquele nos causa profundas inquietações, dúvidas, aquele de quem não podemos nunca ter certeza do que esperar, é nosso buraco. Mas é o Outro que nos tornou humanos no seu cuidado, olhar, desvelo, palavra, que podem ser afetos que acariciam ou que ferem.


[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker