a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  domingo, 21 de março de 2010
Reminiscências

Digo sempre: a solidão, sentimos sempre porque é impossível ser junto o tempo todo. Você pode achar por alguns momentos que uma pessoa te completa e que te entende por inteiro, que seus pensamentos são continuação dos dela. Isso pode ser verdadeiro por um tempo, mas logo você percebe que não é bem assim.

Sei de tudo isso e de outras coisas. Sei, por exemplo, que não suporto quem vive de paixão. Quem vive de paixão é volúvel e incapaz de amar. Quem vive de paixão não consegue nunca compreender a graça de conhecer alguém profundamente, incluindo as partes menos atraentes. Aquelas que não mostramos imediatamente ao conhecermos alguém, porque é preciso nos amar para poder conviver com elas.

A minha parte menos atraente é que eu sou carente. Gosto de atenção, gosto de companhia. Gosto de alguém que dedica cinco minutos para perguntar como eu estou. Deve ser por isso que converso com as pessoas desconhecidas. Para mim, amor é isso. É saber dessas coisas e levar em frente. Se apaixonar é fácil. Difícil é amar os dias de mau humor, as implicâncias, os costumes diferentes.

Não me considero particularmente apaixonável, até porque, pessoas retraídas dificilmente são. Mas acho que sou amável, por causa das outras coisas, aquelas que aparecem depois de um tempo, que nem precisa ser tão longo. Ando me sentindo sozinha. Precisando de alguém pra conversar. Sobre nada, sobre o filme, sobre a música, sobre a notícia, sobre os planos. Essas coisas que eu fazia quando namorava e agora não faço mais porque o tempo precisa de um pouco da nossa generosidade e paciência, e por isso, melhor não forçar nada. O que as pessoas precisam mesmo é de alguém para mandar uma mensagem ou fazer uma ligação de madrugada, independente da hora sem sentir que está incomodando, sem se sentir patético por isso. Como eu não tenho, escrevo.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker