a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quarta-feira, 24 de março de 2010
Escolhas difíceis

Confesso, foi mais difícil sair da psiquiatria do que da faculdade. Adoro ser professora, não faria mestrado por nenhuma outra razão. Já faz muito tempo que sei disso. Quando me formei ser professora foi a primeira porta aberta na minha vida profissional. Ser professor é uma segunda natureza, mais que uma profissão. É um gostar que não se explica, gostar de apresentar coisas sobre as quais antes não se pensou, ou que se pensou de uma forma diferente. É complementar, e pode ser confundir também. Pode ser levar as pessoas à dúvida, ajudá-las pensar.

Hoje encontrei na rua minha professora de português da sexta e da sétima séries. Ela pegava no meu pé, dizia que eu falava muito e trabalhava pouco, meu mal era a língua, mas que uma tesoura resolveria o problema. Uma professora bem old school, dessas que jogam giz e não viram notícia por causa disso. Não era particularmente uma boa professora, mas exigente. Sempre cobrou muito, criticava minha escrita, minha falta de coesão.

Na sétima série, entreguei uma redação. Ela leu e disse "Finalmente você escreveu alguma coisa que preste". Alguns anos mais tarde, a encontrei na rua e ela falou que até aquele dia tinha guardado meu texto sobre o cachorrinho, a primeira boa coisa que eu teria escrito. Hoje ela não me reconheceu, mas eu demorei meia fração de segundo para saber quem era ela. De como era o nome dela lembrei escrevendo esse post, que começou sobre outra coisa: sobre a difícil escolha de, para ser professora universitária, eu ter que abandonar a psiquiatria.

Gosto de lá. Não tem nada a ver com o salário. Tem a ver com a possibilidade de ser psicóloga na concepção que eu faço desta profissão. Tem a ver com o aprendizado que tive em trabalhar em equipe e com a "doença" mental, esse fenômeno que me ajudou a construir um artigo para a pós, depois um projeto de mestrado e que vai se transformar numa dissertação.

Algumas pessoas têm medo, outras acham graça dos meus pacientes, eu vejo todos com uma parcela grande de sabedoria que a gente não entende porque vive um mundo da repressão, em que abafamos bem nosso inconsciente maluco. Lá no hospital eles não gostam do termo "louco". Eu falo que louco é quem rasga dinheiro. E eles riem quando eu falo isso e pergunto de volta se alguém ali rasga. Todos dizem não.

Hoje um dos médicos me falou que sentia muito a minha saída. "Fiquei muito triste", ele disse. "Tu não devias sair (gaúcho, gente)...quer dizer, devias sim. Tu tens outras coisas esperando por ti." Tenho. E sei que essa escolha vai fazer a diferença como professora e psicóloga, e só espero de verdade que, além disso, essa escolha não me mantenha por muito tempo afastada destes que fazem a gente enxergar a vida, a sanidade e especialmente a subjetividade de outro jeito, outro bem melhor, bem menos limitado.

[ 1 Comentários]
eXTReMe Tracker