a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quarta-feira, 16 de setembro de 2009
Sobre saudades

Se eu tivesse que definir meu estado de espírito hoje, diria que ele está saudosista.

Isso começou segunda feira com um pé de amora carregado. Nunca resisto a um. Lembro do que existia na clínica da uem e do dia em que eu e as meninas colhemos várias, até uma escada emprestamos, demos boas risadas. Acho que se permitir perder alguns minutos catando amoras, faz o tempo voltar na época em que não havia muitas preocupações (além de satisfazer a vontade de uma frutinha que não é das mais comuns, mas que é tão gostosa).

Outra coisa que lembrei foi do campeonato de balonismo que aconteceu em Maringá quando eu tava no quarto ano da faculdade. Não é todos os dias que mais de vinte balões sobem ao céu. Uma dança colorida, tão bonito. Da janela do minha casa, os balões passaram tão perto, e eu e a Bianca tentamos, mas a gente precisava olhar, era mais importante não deixar passar aquele momento ao vivo, e quando vimos, já era tarde.

É uma foto que vai ficar na memória e que, a menos que eu consiga aprender a pintar, nunca vou conseguir reproduzir. Mas imagine você, na sua janela, e balões começam a passar com a maior tranquilidade, como se fizessem parte daquele céu todos os dias.

Isso também me faz voltar no tempo, na época em que um dos meus filmes preferidos era sobre uma menina que queria voltar pra casa, um leão que estava atrás de coragem, um robô procurando um coração e um espantalho desejando um cérebro. E quando eles se deram conta que já tinham tudo isso, foram embora em um balão.

Na realidade eles já tinham tudo o que desejavam, mas não conseguiam reconhecer. Quantas vezes isso acontece com a gente? Tantas vezes os outros precisam esfregar na nossa cara nossas virtudes. Nos últimos dias, eu venho me sentindo perseguida por uma bruxa do oeste bem malvada, mas espero que logo ela vá embora e que a bruxa do leste, mais boazinha, volte. Essas duas bruxas são a nossa briga interior com nossos desejos e boicotes. Nunca tinha parado para pensar no Mágico de Oz dessa forma, mas foi um filme que fez parte da minha infância, como as amoras, frutas difíceis de encontrar, como os balões, sonho de criança andar em um.

Mudaram as estações, nada mudou
Mas eu sei que alguma coisa aconteceu
Tá tudo assim, tão diferente

Se lembra quando a gente
Chegou um dia a acreditar
Que tudo era pra sempre sem saber
Que o pra sempre sempre acaba

Mas nada vai conseguir mudar o que ficou
Quando penso em alguém só penso em você
E aí, então, estamos bem

Mesmo com tantos motivos
Pra deixar tudo como está
Nem desistir, nem tentar
Agora tanto faz...
Estamos indo de volta pra casa


[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker