a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  domingo, 13 de setembro de 2009
Sobre não saber

Me angustia mais não saber porque eu tô angustiada e hoje é um desses dias em que se abre um buraco em mim que não se fecha com nada, que me faz querer chorar igual criança, soluçando no colo de alguém.

Eu não sei o que é, eu queria poder me sentir melhor, mas todo sábado eu tenho vontade de coisa nenhuma, e vontade de tudo. Quero sair, mas quero ficar em casa. Quero conversar, mas quero ficar quieta. É tão ruim quando as palavras faltam, quando fica difícil de explicar para os outros, explicar pra mim.

A angústia sempre tem um porquê. Ela não nasce de graça e cobra um preço pra ir embora. O problema é não entender que preço é esse, o que eu preciso fazer para que passe. E aí eu me sinto tão sozinha. Sinto que vai ser assim pra sempre. E na realidade todo mundo é sozinho, a gente é sozinho junto porque os outros nunca sabem como dói a nossa dor; eu não sei se a minha angústia é igual à sua.

Eu não sei se o seu coração também aperta, se o seu estômago se contrai e quantas caixas de lenço você precisa gastar num mês. Eu sei de mim e não sei ao mesmo tempo, o que dói para quem precisa ter sempre o controle das situações, mesmo daquelas que realmente não são controláveis. Mas eu sei que me sinto sozinha.

Perceber aquilo que se tem de bom no viver é um dom
Daqui não
Eu vivo a vida na ilusão
Entre o chão e os ares
Vou sonhando em outros ares, vou
Fingindo ser o que eu já sou
Fingindo ser o que eu já sou
Mesmo sem me libertar eu vou

É Deus, parece que vai ser nós dois até o final
Eu vou ver o jogo se realizar de um lugar seguro

De que vale ser aqui
De que vale ser aqui
Onde a vida é de sonhar?
Liberdade

[ 1 Comentários]
eXTReMe Tracker