a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  quinta-feira, 20 de agosto de 2009
Sobre os barulhos que nos despertam

Tem uma música que eu gosto muito, "Let go" do Frou frou, que fala sobre a beleza do colapso e o quanto o melhor que fazemos diante dele é deixar pra lá, seguir em frente, porque caso contrário, a vida continua caminhando sem nós, mesmo que a gente fique remoendo a própria tragédia dentro de uma bolha, sem fazer ideia como somos realmente.

Tantas coisas acontecem que nos fazem sentir vontade de ficar dentro dessa bolha, de brigar, de reclamar, quando muitas vezes este é um cansaço inútil que não muda vidas, nem rumos, porque quase sempre, o melhor é deixar a vida seguir o próprio rumo.

Não penso que isso seja sinal de passividade ou de ver a banda passar sem participar dela, mas eu penso que há situações que são alheias à nossa própria vontade e contra essas é besteira lutar, tirar a roupa, pisar em cima e chorar como uma criança descontente. Não resolve.

Colapsos são bonitos porque no transtorno e barulho que fazem nos motivam a pensar. Pensar sobre o que pode ser feito, e sobre o que não está a nosso alcance e por isso merece nossa contemplação e espera. E bem sei que esperar é difícil.

O mais engraçado, e isso me faz pensar que talvez eu seja contemplativa demais e que isso me faça muitas vezes me concentrar nas minhas tragédias pessoais, é que pensei em tudo isso por causa de um trovão comprido demais. Literalmente, eu falo sobre o dia em que acordei assustada por ter ouvido o trovão mais longo da minha vida.

O coração disparou e senti um medo absurdo, que nunca havia sentido por causa de uma tempestade. Nessas situações tem sorte quem pode alcançar a mão de alguém que está ao lado e dizer que está com medo e, nesse gesto tão simples, ser abraçada e ouvir que você está assustado porque o trovão foi forte mesmo, mas que já passou, foi só um trovão, você pode voltar a dormir.

Muitos colapsos pessoais são trovões fortes demais. Fazem barulho na tempestade e a tornam mais assustadora. É bom poder estender a mão e ser abraçada. Mas é importante poder fazer isso por si mesmo, levantar, verificar se as janelas estão fechadas, pegar mais um cobertor e esperar o pior da tormenta passar. Isso é ser mãe de si mesmo e a gente precisa fazer quando a mão ao lado não pode nos alcançar.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker