a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sábado, 7 de fevereiro de 2009
Sobre as despedidas

Isso de despedida nunca foi fácil pra mim. Quando eu era criança chorava e via a minha mãe e minha avó chorarem todas as vezes que ela ia embora da minha casa ou quando íamos embora da dela. Em uma dessas vezes, eu e minha irmã ficamos algumas horas chorando agarradas a uma blusa esquecida com o cheirinho dela. Tanto sentimento é porque ela sempre foi uma avó maravilhosa, doce, paciente e que sabia fazer um frango assado gostoso.

Ainda hoje mora longe e ainda hoje sinto o mesmo nó na garganta quando penso nela, apesar de fazer muitos e muitos anos que ela não cozinha mais, penso no quanto seria bom tê-la mais perto.

Desde criança pareço ter aprendido que as despedidas são momentos de sofrimento dos grandes. Mesmo que na maior parte das vezes, representem o ponto de partida pra um novo encontro.

Quando eu parei minha primeira faculdade eu não me despedi de ninguém. Um dia fui, fiz prova, conversei, disse "até amanhã" e no outro não fui mais. Não sei porque fiz isso porque já sabia que não voltaria. Na minha formatura, chorei muito, porque eu sabia que ali era aquele ponto em que cada um desce e pega uma conexão para um lugar diferente. As pessoas ficam menos acessíveis quando precisam crescer.

O mesmo nó na garganta da infância se forma, o peito aperta, a ansiedade começa a tomar conta. Lidar com a saudade é difícil demais. E eu sempre preciso me readaptar. A gente que é sentimental não aprende como faz pra isso tudo ficar mais fácil. A saudade é burra.

Grão de Amor - Marisa Monte e Carlinhos Brown

Me deixe sim
Mas só se for
Pra ir ali
E pra voltar

Me deixe sim
Meu grão de amor
Mas nunca deixe
De me amar

Agora as noites são tão longas
No escuro eu penso em te encontrar
Me deixe só
Até a hora de voltar


[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker