a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sábado, 3 de janeiro de 2009
Sobre fim e começo de ano

Eu pensava que a depressão que acompanhava o mês de dezembro tinha a ver com a minha mãe reclamando das lojas e do supermercado cheio, da rua sem lugar pra estacionar, do consumismo, da falta de espírito natalino. Aí, quando eu tinha 14 anos, passei meu primeiro natal fora. Saímos do Brasil dia 22/12 e voltamos na metade de janeiro mais ou menos.

Minha ceia do dia 24 foi uma pizza ruim na calçada de um restaurante em Mendoza. Eu não ganhei presentes, com exceção do amigo secreto. Peguei o motorista número 2 e quem me pegou foi uma menina com quem eu não falo há anos. Chorei muito aquele dia. Não conseguia ligar pra casa, meus pais estavam viajando também, enfim, foi triste.

Esse ano passei novamente o natal fora. E apesar de estar bem longe de casa, de não ter que me preocupar com nada, eu percebi que fico triste em qualquer lugar nessa época do ano e quero que acabe rápido. A viagem foi muito boa, foi ótima, mas o que eu sinto nas festas do dia 24 e do dia 31 foi a mesma coisa: vontade que acabe logo.

Se eu fosse fazer um balanço de 2008, diria que foi um ano de stand by. Minha vida ficou em banho-maria. Em 2009, acredito que será melhor, porque meus anos ímpares sempre são melhores que os pares. Espero arrumar mais um emprego, porque o que eu tenho não me sustenta, espero estar mais perto das minhas amigas, porque me afastei delas até para não ter que falar das minhas tristezas, e espero conseguir guardar dinheiro para fazer uma viagem tão boa quanto eu e o João fizemos nesse fim de ano.

Mas sobre a viagem, eu escrevo depois...Não dá pra misturar a melancolia do fim/começo de ano com Machu Picchu, não mesmo.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker