a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sexta-feira, 5 de dezembro de 2008
Sobre um monte de coisa

1. Pedi no xérox 15 cópias de um material. Como eu tenho amor ao meio ambiente, falei para o rapaz tirar frente e verso e disse que voltava buscar dali a pouco. Ele então me disse: "Mas é rapidinho". Resolvi esperar. Ele foi selecionar o meu pedido na tela da máquina do xérox, (touch screem). Dentro de um minuto saíram as cópias. Eu já estava com o grampeador em punho, quando ele me entrega, quentinhas, as 15 cópias já grampeadas. Não pude conter a admiração: "Já sai grampeado?". Ele respondeu que sim. Meu comentário final merece o prêmio de jacuzisse plus interiorpride: "Disso eu nunca tinha visto". Acho bonito como eu ainda me surpreendo com essas coisas.

2. Quando eu estava indo pegar o metrô para ir para a Barra Funda, cruzo com o cara do milho verde que me cumprimenta animadamente. Ele já não pergunta mais se eu quero o milho com sal e manteiga. Sou previsível para o cara do milho verde. Só de pirraça, essa quarta feira, guardei os dois reais que gasto com ele e comprei um suco.

3. Eu também me tornei previsível para os meninos que atendem na lanchonete onde o ônibus faz parada. Sempre entro, peço um suco de laranja com gelo e açúcar. Vou ao banheiro, para quando voltar, o suco estar me esperando no balcão. Um dos meninos vem me atender e pergunta se quero mais alguma coisa, com a caneta já pronta para marcar "pão de queijo" no fichinha.

4. O motorista do ônibus em que eu viajo me chama pelo nome. Na semana seguinte a que eu não fui pra São Paulo ele disse que sentiu minha falta. Hoje eu dei tchauzinho para ele na hora de ir embora e desejei feliz ano novo. Sou previsível também para o motorista do ônibus.

5. Hoje li o feed-back dos meus alunos a meu respeito. A maior parte das avaliações foi boa. Mas numa das opiniões alguém disse que toda semana eu pedia pra tirar xérox e fazer resenha. Sou previsível também para os meus alunos, e chata.

6. Hoje arrumei a iluminação de natal da minha casa. Minha mãe gosta e eu sempre faço isso para ela. Quando anoiteceu fui lá fora ver. Eu sei como se parece, porque há anos arrumo do mesmo jeito, mas mesmo assim, gosto de ficar parada vendo.

7. Essa semana eu tive uma supervisão com um cara que eu gosto muito. Ele é um senhor de oitenta anos que divaga muito, fala coisas com sentido e é bem engraçado. Chama Freud de Ziggy, e fala dele como se fosse Deus. Quando ele terminou disse: "Você leva jeito pra clínica". Esse comentário e as cópias grampeadas foram as surpresas da minha semana.

[ 2 Comentários]
eXTReMe Tracker