a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sexta-feira, 3 de outubro de 2008
Sobre cabelos brancos

Desde que comecei minha vida de migrante (em abril) comecei a perceber coisas que antes eu não percebia. Provavelmente por ficar durante muitas horas parada em rodoviárias, ônibus, trens e metrôs. Noto as pessoas, o jeito delas, se estão felizes ou tristes e tento imaginar porquê. É quase como um passatempo.

Toda semana em São Paulo eu saio da USP para pegar a van que me leva até a Vila Madalena onde eu tenho terapia. Todos os dias depois da terapia antes de pegar o metrô, eu compro milho verde (gosto de viver grandes aventuras). Eu fico imaginando o que o cara que vende milho verde pensa dessa menina que toda santa quarta feira compra um potinho de milho verde com cara de quem acabou de ter uma crise de choro. E é exatamente o que acontece todas as semanas. Acho que é uma fase normal da terapia. Eu chorava muito quando comecei, e agora que tive que trocar de psicóloga, choro de novo.

Não bastasse o cara do milho verde, todo mundo no metrô fica me encarando. E eu não sei o que é pior: usar óculos escuros no metrô às 18h ou ficar com cara de choro. Mas sinceramente, desencanei. Nem ligo. Podem imaginar o que eu quiser, até porque, eu também imagino.

Essa semana, atravessando a rua de todas as semanas, passa por mim um carro. Um escort conversível. Quando eu era criança esse era um carro muito chique e muito bacana. O tempo estava bem nublado e a marginal era a Pinheiros, e o rio Pinheiros ao lado estava exalando seu odor peculiar. Quando o tempo fica para chuva em São Paulo, o cheiro fica insuportável. Mesmo assim, aquele escort estava com a capota abaixada. Quem dirigia era um senhor de uns sessenta e poucos anos, cabelos branquinhos, branquinhos. Junto com ele duas senhoras, também com os cabelos brancos, óculos escuros. Só faltou o lenço!

Hoje, no meu aniversário, eu desejo que quando eu tiver com sessenta ou mais, eu também possa passear de boa por uma das marginais mais movimentadas de São Paulo, ou de qualquer lugar do mundo, em um carro conversível, com a capota abaixada em uma quarta feira nublada.

[ 2 Comentários]
eXTReMe Tracker