a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  domingo, 28 de setembro de 2008
Sobre o que é líquido

Zygmunt Bauman usou a palavra "líquido" para definir o amor e a modernidade. O que é líquido contorna, se ajusta em qualquer canto. O que é sólido sempre se depara com barreiras e hora ou outra precisa estacar em algum lugar.

Ontem, abri um e-mail, era uma crítica de um tal de Thiago Ney ao novo álbum do Marcelo Camelo: "[...] 'Nós' (ou 'Sou' ou 'Sou/Nós') possui o que o Los Hermanos tinha de pior: a inútil idealização de uma época que não volta mais [...]".

Calhou de eu ter aberto o fatídico e-mail logo depois de ter voltado do cinema. Eu estava em Curitiba e, pela primeira vez em seis meses, sem me preocupar em voltar pra casa pra de alguma forma estar por perto. Assisti "Ensaio sobre a cegueira", e apesar de nunca ter me interessado em ler o livro, desde que soube do filme, quis ver.

A história de que o que a gente vive é líquido tem tudo a ver com o filme e tem tudo a ver com um cara que, ouso dizer, é o homem da minha vida, mudou tudo o que eu sabia e conhecia, mudou a minha forma de encarar muita coisa, me fez ver que a vida, apesar de foda pra caralho, é bem bonita. Claro que eu estou falando de Freud.

Ele escreveu, nas primeiras décadas do século XX, "Mal estar na civilização". Além de muito bem escrito, como todos os textos dele, parece que é de qualquer autor contemporâneo, como Bauman. Freud já entendia que a sociedade pós moderna se tornaria líquida, instantânea, fast food (ou fast foda, an an).

Aí me aparece um sujeito tipo esse Thiago Ney, e mais uma carrada de gente, que afirma ser o amor uma idealização inútil. O Thiago nunca se apaixonou? Ele nunca imaginou ser possível ter tudo de bom que um amor de verdade oferece? Ou será que ele levou um pé na bunda tão violento que ainda tá se recuperando? Não sei, só posso supor.

E o que isso tudo tem a ver com o filme? Para quem não assistiu e não leu o livro, não vou fazer spoiler nenhum. Mas posso dizer, com o coração um tantinho mais feliz, apesar de me sentir também uma vítima do que é líquido e contornável (ou retornável), que o José Saramago também acredita, como o Marcelo Camelo (e como eu), que a idealização não é inútil coisíssima nenhuma, e que o amor pode sim ser aquilo que sobra, mesmo no meio da barbárie, da selvageria e da falta de humanidade.

Hoje eu cheguei em casa e o "Nós" (ou "Sou") estava à minha espera. Meu primeiro presente de aniversário. Senti uma coisa que posso definir como impotência e talvez uma pontinha de tristeza. Lamentando muito estar de mãos atadas. Pra sempre.

[ 3 Comentários]
eXTReMe Tracker