a dona desse blog
é de uma teimosia absurda. além de ser psicóloga, é leitora, aspirante à escritora, filha, irmã, tia e amiga, é indecisa por natureza, não sabe fazer planos e deixa sua vida ser dominada por uma ansiedade que ela sempre achou que disfarçava bem. acha que todo dia é ideal pra questionar se suas ações estão certas, se está sendo justa consigo, se faz o que gosta (e por enquanto faz). é uma dessas pessoas que gosta da solidão da própria companhia mas não dispensa uma cervejinha com aquelas pessoas que sabem conversar, de preferência em um boteco bem boteco, porque estes servem as mais geladas.

livejournal
orkut
lastfm
twitter
facebook

links
ficadica
lentes coloridas
música de elevador
felicidade plástica
te amo, porra
um solilóquio
assopra tu
fuxicando sobre artes
luckyscars
e a vida, etc.
tofu studio
pipoca com cerveja
don't hesitate to hate
casa da chris
fina flor
fingindo dores
das minhas cores
que besteira
clarissa lamega
circulando por curitiba
terra da garo(t)a
just roll the dice
tantos clichês
I misbehave
vai melhorar, eu juro
superoito
sem pickles
um conto para narciso


passado
Julho 2008
Agosto 2008
Setembro 2008
Outubro 2008
Novembro 2008
Dezembro 2008
Janeiro 2009
Fevereiro 2009
Março 2009
Abril 2009
Maio 2009
Junho 2009
Julho 2009
Agosto 2009
Setembro 2009
Outubro 2009
Novembro 2009
Dezembro 2009
Janeiro 2010
Fevereiro 2010
Março 2010
Abril 2010
Maio 2010
Junho 2010
Julho 2010
Agosto 2010
Setembro 2010
Outubro 2010
Novembro 2010
Dezembro 2010
Janeiro 2011
Fevereiro 2011
Março 2011
Abril 2011
Maio 2011
Junho 2011
Julho 2011
Agosto 2011
Setembro 2011
Outubro 2011
Novembro 2011
Dezembro 2011
Janeiro 2012
Fevereiro 2012
Março 2012
Abril 2012
Maio 2012
Junho 2012
Julho 2012
Novembro 2012
Janeiro 2013
Fevereiro 2013
Março 2013
Abril 2013
Junho 2013
Agosto 2013
Setembro 2013
Outubro 2013
Novembro 2013
Dezembro 2013
Fevereiro 2014



  sexta-feira, 25 de julho de 2008
Sobre lugares que deixam saudades

Nos últimos dias antes da formatura, parei e vi. Vi gente, prédios, a cidade, a UEM. Adorava passar de carro no fim da tarde, quando as pessoas que passaram o dia lá estavam indo embora e as que passariam a noite, chegavam. Era bonito. Maringá é muito bonita e isso vai além das árvores e ruas planejadas. É o lugar com o pôr-do-sol mais alaranjado que eu já vi. É o lugar em que você sente as estações do ano passando pela quantidade de gente que fica na parte descoberta do bar. Gosto tanto que, pra mim, mesmo debaixo de um temporal ela é linda.

No ano passado, caiu um dos feios. Eu tirei uma foto para mostrar como o céu ficou lindo e assustadoramente vermelho. A terra subiu com o vento e provocou um dos efeitos mais fabulosos que eu já vi. Gosto tanto desses paradoxos: como a força da natureza pode ser duas coisas tão grandiosas, violenta e maravilhosa.

Assim é o amor que eu sinto pelos anos que eu passei lá. Quando me lembro, um turbilhão tão arrasador quanto aquele céu vermelho de poeira se forma dentro de mim. (e ouço gritos parecidos com os das pessoas explodindo no meu peito). A vontade de voltar correndo é grande. Essa semana eu experimentei Maringá sem a UEM. É esquisito, mas descobri que ainda vale à pena. É gostoso sentir o calor, tomar capuccino gelado e passear pelas lojinhas. É gostoso sentar no bar e tomar cerveja na mesa da calçada e encontrar conhecidos que param e conversam com você. É ótimo reencontrar partes do meu coração que deixei espalhadas em alguns lugares do mundo.

Uma grande ficou em Buenos Aires, a cada dia que passa, me convenço que não poderia ter deixado em melhores mãos. Outra enorme ficou em Maringá. Eu já comecei a deixar outro pedaço em São Paulo. Sempre fui assim, de me apaixonar pela pessoas e os lugares. Dói bastante, assim como dói para uma mãe quando o filho nasce. Essa é uma culpa que ela carrega pra sempre. Quem é capaz de entregar um bebê a isso tudo que a gente vê?! A dor que eu carrego é parecida. Como entregar tanto amor assim?

Penso que é a única maneira de viver. É quando a gente descobre que conhecer é dizer adeus, inevitavelmente:

E assim chegar e partir são só dois lados da mesma viagem.
O trem que chega é o mesmo trem da partida
A hora do encontro é também despedida
A plataforma dessa estação é a vida.

[ 0 Comentários]
eXTReMe Tracker